Nazismo é de direita, afirma museu do Holocausto, em Israel. Bolsonaro discorda

Site oficial de museu afirma que nazismo surgiu a partir do crescimento de grupos radicais de direita na Alemanha. Presidente do Brasil, no entanto, 'não tem dúvidas' que nazismo foi de esquerda

Por O Dia

Jair Bolsonaro discorda da classificação de nazismo do museu do Holocausto, em Israel
Jair Bolsonaro discorda da classificação de nazismo do museu do Holocausto, em Israel -

Jerusalém - O presidente Jair Bolsonaro visitou o Yad Vashem, o Centro de Memória do Holocausto, em Jerusalém, nesta terça-feira.

No site oficial da instituição, um texto intitulado "A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha" fala sobre as origens do nazismo no país. Ele explica que o nazismo surgiu a partir de uma "frustração"com as consequências da derrota alemã na Primeira Guerra Mundial, que, somada justamente com o medo da ameaça comunista, "criou solo fértil para o crescimento de grupos radicais de direita na Alemanha, gerando entidades como o Partido Nazista". Em seguida, o texto fala sobre preceitos básicos do nazismo, defendidos por grupos de direita, como o racismo e o anti-semitismo.

O presidente Jair Bolsonaro, que já foi denunciado por racismo pela Procuradoria Geral da República (PGR) após ofender negros, indígenas, mulheres e LGBTs em um evento no clube Hebraica, no Rio de Janeiro, discordou do museu do Holocausto. No final da entrevista coletiva concedida em Israel, ele afirmou "não ter dúvidas" de que o nazismo foi um movimento de esquerda.

O STF rejeitou a acusação contra Bolsonaro feita pela PGR, em setembro de 2018.

Após a declaração do presidente, Holocausto se tornou uma das expressões mais citadas no Twitter Brasil.

Comentários