Após revelação de crime, detenta trans, Drauzio Varella e Globo se manifestam

Suzy foi condenada por estuprar e matar uma criança de 9 anos

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Susy, mulher trans presa, abraçada por Drauzio no 'Fantástico'
Susy, mulher trans presa, abraçada por Drauzio no 'Fantástico' -
São Paulo - Suzy Oliveira ficou conhecida nacionalmente ao ser entrevistada e abraçada por Drauzio Varella durante reportagem do Fantástico sobre presas trans em penitenciárias masculinas. No entanto, mais detalhes sobre a história da detenta se tornaram públicos nos últimos dias.

De acordo com a Revisão Criminal nº 0045326-61.2015.8.26.0000, Suzy foi condenada por estuprar e matar uma criança de 9 anos. O crime ocorreu na zona leste de São Paulo, em 2010, quando Suzy ainda utilizava seu nome masculino. Ela está presa desde então.

Galeria de Fotos

Drauzio Varella, médico voluntário há 30 anos em presídios Reprodução
Susy, mulher trans presa, abraçada por Drauzio no 'Fantástico' reprodução
Suzy Oliveira, que está na Penitenciária I "José Parada Neto", em São Paulo, sensibilizou internautas Reprodução/ TV Globo
Drauzio Varella diz que Brasil tem epidemiologia muito organizada: 'Orgulho do SUS' Reprodução
Dráuzio Varella Divulgação
Drauzio palestrou sobre o tema Divulgação


A advogada de Suzy, Bruna Castro, publicou em seu Instagram uma carta atribuída à detenta, onde ela diz que não foi perguntada pelo programa sobre seus crimes. "Eu sei que errei e muito. Em nenhum momento tentei me passar como inocente. Desde aquele dia me arrependi e hoje estou aqui pagando tudo que cometi".
Está no celular? Clique aqui e veja mais fotos!

As informações sobre a condenação foram divulgadas pelo perfil do Grupo de Ciências Criminais no Instagram, que posteriormente apagou o post. "O processo já transitou em julgado e Suzy está cumprindo sua pena, sem necessidade de linchamento ou julgamento virtual", informa nota divulgada pelo grupo.

Durante a reportagem, exibida na edição de 1º de março, Suzy recebeu um abraço de Drauzio ao revelar que não recebia visitas há sete ou oito anos. "Solidão, né, minha filha", disse o médico no momento. A exibição gerou uma onda de compaixão nas redes, com internautas buscando maneiras para enviar cartas à detenta e organizando vaquinhas virtuais.

Drauzio e o programa foram criticados nas redes sociais por supostamente esconder os crimes cometidos por Suzy.

Após a repercussão, Drauzio divulgou neste domingo, 8, um comunicado na qual afirma que há 30 anos frequenta penitenciárias para tratar da saúde de detentos e que não pergunta o que seus pacientes possam ter feito de errado.

"Sigo essa conduta para que meu julgamento pessoal não me impeça de cumprir o juramento que fiz ao me tornar médico". O médico afirma que segue os mesmos princípios em seu trabalho televisivo, e que não perguntou para nenhuma das entrevistadas sobre os delitos cometidos. "Sou médico, não juiz", conclui.

As reações contra o médico e a rede Globo continuaram, inclusive com publicações nas redes sociais do ministro da educação Abraham Weintraub e do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

As tags #DrauzioVarellaLixo e #BoicoteAGlobo figuraram entre os trending topics do Twitter desde a revelação. Nota lida durante o Fantástico afirma que "os crimes das entrevistadas não foram divulgados, porque este não era o objetivo". O programa também declarou apoio integral ao comunicado divulgado por Drauzio.

Comentários