Nasce a filha do baixista Champignon

Lena Papini, integrante da banda 'A banca', comemorou o nascimento do bebê. 'Champ, temos mais uma parte sua viva entre nós', disse ela

Por karilayn.areias

Rio - Nasceu a filha de Champignon, morto em setembro de 2013, segundo informou Lena Papini, baixista da banda 'A Banca', grupo formado com ex-integrantes do Charlie Brown Jr. "A Slepinha nasceu!!!! Seja bem vinda, Maria Amélia, já tem muita gente que te ama. Champ, temos mais uma parte sua viva entre nós", escreveu ela em seu Twitter.

Lena Papini comemora nascimento da filha de ChampignonReprodução Internet

Na epóca em que o músico morreu, sua mulher, Claudia Campos, estava no quinto mês de gestação. O nome do bebê foi anunciado através de um desabafo na internet logo após o falecimento de Chapignon. "Peço uma corrente de oração gigante (...). Eu e Maria Amelinha estamos aqui ainda neste plano te amando e esperando a hora de nos reencontrarmos e continuarmos nossos tantos sonhos juntos!!! Deve existir alguma terceira palavra que me salve resultante desta rima de amor e dor", relatou Claudia. O músico deixou ainda outra filha, Luiza, de 8 anos, fruto do seu casamento com Nicole Mecatti.

O baixista Champignon, da extinta banda Charlie Brown Jr., foi encontrado morto com um tiro na boca em seu apartamento no Morumbi, Zona Sul de São Paulo, na madrugada do dia 9 de setembro do ano passado. Segundo vizinhos, o disparo foi ouvido pouco depois da meia-noite. 

Na época em que Champignon morreu, sua mulher, Claudia Campos, estava no quinto mês de gestação Reprodução Internet

Luiz Carlos Leão Duarte Junior, como era batizado Champignon, tinha 35 anos e estava no local com sua mulher grávida, que foi atendida por médicos em estado de choque. Por volta das 4h da madrugada, o corpo do baixista foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal).

A morte do músico aconteceu seis meses após o falecimento de Chorão, vocalista da banda com quem teve diversas brigas no passado. Ao saber da fatalidade, em março deste ano, Champigon lamentou a perda do parceiro. "A gente brigou algumas vezes na vida, mas graças a Deus restabelecemos a amizade", declarou.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia