Por tabata.uchoa

Rio - A ditadura da beleza que existe nos dias de hoje não tinha espaço nos anos 70. Fabiula Nascimento, que vive a maldosa Cristina de ‘Boogie Oogie’, novela ambientada naquela época, sabe bem disso e lamenta não ter aproveitado esse momento (ela nasceu no final da década, em 1978).

“Pelas fotos e pela história, você vê que as pessoas eram muito mais bem-resolvidas com seu corpo, né? Tanto que a barriguinha de fora era uma barriguinha mesmo. A única coisa que elas tinham bem era a cintura. Os biquínis, por exemplo, eram bem mais largos e, mesmo assim, eram altamente sensuais. Digo esses biquínis com bumbum grande de crochê. Também usava-se muita bata, renda. E ficava tudo lindo”, avalia Fabiula.

Fabiula Nascimento em cena como a professora CristinaDivulgação

Sem ser viciada na questão do corpo (na verdade, a atriz nem gosta de falar sobre malhação e alimentação), Fabiula diz que adoraria ter vivido a liberdade dos anos 70. “Eu ia ser muito feliz. Ia virar um bicho grilo, deixar o cabelo até a cintura, ia andar de chinelo de couro. Sei que as mulheres nunca estão bem-resolvidas com nada, mas eu acho que as pessoas não se importavam muito com isso de estar gordinha ou magra, elas queriam mais liberdade para se expressar, até nas vestimentas mesmo. Muito mais do que se preocupar se tinham celulite ou não. E a alimentação era outra, não tinham tantos industrializados”, reconhece.

Mesmo com tantas mudanças na moda, Fabiula admite que muitas roupas daquele tempo ainda são atuais como as calças de cintura alta. “Calça alta, eu uso sempre. Também uso saia alta com top mais curto (cropped). Mas depende muito. Para mim, moda é o tempo inteiro, vale qualquer coisa. Às vezes, compro roupa e gosto de usar depois que a moda passa. Gosto das calças altas porque as mulheres ficam elegantes. Hoje, as calças são baixas. Pode reparar que as meninas mais jovens não têm tanta cintura, são mais retas, as roupas modelavam muito o corpo da mulher.”

Com a ganância de ganhar muito dinheiro para realizar seus sonhos, Cristina não parece em nada com sua intérprete. Fabiula frisa que não é uma pessoa extravagante e que se contenta com o que tem. “Meus sonhos nunca estão relacionados ao dinheiro ou ao status. Também sou zero competitiva, não tenho nenhum talento para esse tipo de coisa. Ali pelos 25 anos (hoje a atriz tem 36), comecei a entender que o sonho tem que ser algo muito próximo, coisas que possam se realizar rapidamente. Nunca penso num futuro a longo prazo. Se me perguntarem agora se estou planejando algo, o máximo que consigo pensar é para daqui a cinco meses”, assegura.

Você pode gostar