Palácio Guanabara, sede do governo do RioTomaz Silva/Agência Brasil

Rio - O governador Cláudio Castro (PL) e o presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), André Ceciliano (PT), alinharam nesta quarta-feira, 12, a correção salarial ao funcionalismo fluminense. Ambos entraram em acordo para a implementação, já na folha de janeiro, que será paga no mês que vem, da recomposição inflacionária de 13,05% aos servidores ativos, inativos e pensionistas do Estado. No Rio, há 460 mil pessoas do funcionalismo público. 
O percentual corresponde à metade do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado entre 6 de setembro de 2017 e 31 de dezembro de 2021, que chegou a 26,11%, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pela divulgação do índice.

Além de atender a uma demanda das categorias, que aguardam pela reposição salarial desde 2014, o governo afirma que a medida é fruto de diálogo com a Alerj e segue o que está previsto na Lei 9.436/21, sancionada pelo governador Cláudio Castro. O texto foi publicado em 15 de outubro do ano passado no Diário Oficial.

"Essa é mais uma conquista para todos os servidores civis e militares do nosso Estado, que esperam há anos por esse reconhecimento. A garantia da recomposição salarial, a antecipação dos pagamentos ao funcionalismo e todos os avanços que estamos conseguindo tirar do papel devem-se ao resultado de uma gestão responsável das finanças públicas", declarou o governador.
No ano passado, o governador do Rio já havia anunciado a recomposição salarial para o primeiro salário deste ano, com vencimento de janeiro. Ele disse que os servidores poderiam esperar um reajuste salarial de aproximadamente 10% para todo o funcionalismo público. 
Em novembro, além do aumento salarial, o chefe do Executivo estadual ainda prometeu um reajuste no auxílio alimentação. Ele também havia dito que uma recomposição salarial do atrasado será parcelada, com previsão de gatilho e teto de acordo com a arrecadação do estado. Essas regras de parcelamento de recomposição atrasado serão divulgadas no primeiro trimestre de 2022.
"O salário de janeiro, no começo de fevereiro, já terá reajuste de mais de 10% para todo mundo, depois de sete anos sem reajuste, vamos dar para todo funcionalismo, é uma conta de R$ 3 bilhões por ano", afirmou o governador na época.