Irlanda diz sim para legalização do aborto, apontam primeiras parciais

Depois de confirmados os resultados, o próximo passo será o governo redigir um novo projeto de lei, autorizando o aborto durante as doze primeiras semanas de gestação

Por AFP

Os primeiros resultados oficiais divulgados no referendo da Irlanda sobre suas rígidas leis de aborto mostraram que 60 % do eleitorado de Galway Oriental apoiou a revogação da legislação atual
Os primeiros resultados oficiais divulgados no referendo da Irlanda sobre suas rígidas leis de aborto mostraram que 60 % do eleitorado de Galway Oriental apoiou a revogação da legislação atual -

Dublin - O 'sim' obtém uma vitória clara nos primeiros resultados oficiais do referendo na Irlanda sobre a legalização do aborto neste sábado.

Os resultados de quatro das 40 circunscrições do país se declararam 66,36% favoráveis à legalização do aborto, segundo o escritório responsável pela apuração central.

A participação nas urnas foi de 63%.

Hoje, a lei irlandesa é uma das mais restritivas da Europa.

O apoio ao "sim" foi de 77% em Dublin central, 69%, em Cork Sul-central, 64%, em Cork-norte-central, e 60%, em Galway Leste.

O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, considerou, neste sábado, que o "sim" é o desfecho de uma revolução tranquila.

"O que nós vemos hoje é o desfecho de uma revolução tranquila, que transcorreu na Irlanda ao longo dos últimos dez, ou 20 anos", declarou à rede pública RTE.

Depois de confirmados os resultados, o próximo passo será o governo redigir um novo projeto de lei, autorizando o aborto durante as 12 primeiras semanas de gestação e até as 24 semanas por motivos de saúde.

Últimas de Mundo & Ciência