Trump assina decreto para pôr fim a separações de famílias na fronteira

A separação familiar não é nova, mas era aplicada a critério dos agentes de fronteira até 5 de maio, quando o presidente americano implementou uma política de 'tolerância zero'

Por AFP

O vice-presidente Mike Pence observa o presidente dos EUA, Donald Trump, assinar uma ordem executiva sobre imigração no Salão Oval da Casa Branca
O vice-presidente Mike Pence observa o presidente dos EUA, Donald Trump, assinar uma ordem executiva sobre imigração no Salão Oval da Casa Branca -

Washington - O presidente americano, Donald Trump, assinou nesta quarta-feira uma ordem executiva para pôr fim à controversa separação de famílias de migrantes na fronteira, revertendo uma prática que virou alvo de críticas internacionais.

"Trata-se de manter as famílias unidas", disse Trump na cerimônia de assinatura.

"Não me agradou a visão de famílias sendo separadas", acrescentou.

As crianças separadas de seus pais na fronteira entre o México e os Estados Unidos são retidas por agentes em espaços cercados que parecem jaulas, onde os menores choram e gritam chamando por suas mães, conta uma pediatra que visitou vários centros de detenção temporária no Texas.

"Do lado de fora, podíamos ouvir as vozes das crianças que pareciam estar brincando ou rindo, mas quando abrimos a porta, vimos como 20 ou 30 crianças de cerca de 10 anos, trancadas em um destes recintos, choravam, gritavam e chamavam por suas mães", relatou à AFP a pediatra Marsha Griffin.

As mães foram confinadas em outra jaula a cerca de 15 metros de distância. "Algumas podiam ver seus filhos, mas não podiam se aproximar, outras não podiam vê-los. E as crianças esticavam as mãos pela cerca de metal, chorando e tentando alcançar suas mães".

"Era horrível", disse Griffin, que há 10 anos acompanha a situação das crianças retidas na fronteira entre o Texas e o estado mexicano de Chihuahua.

A separação familiar não é nova, mas era aplicada a critério dos agentes de fronteira até 5 de maio, quando o presidente Donald Trump implementou uma política de "tolerância zero". Desde então, mais de 2.300 crianças foram separadas de seus pais.

Após as muitas críticas nacionais e internacionais, Trump indicou nesta quarta-feira que assinaria um decreto para acabar com a separação das famílias.

Os imigrantes que entram ilegalmente nos Estados Unidos ao longo da fronteira com o México, bem como aqueles que o fazem em busca de refúgio, são enviados para um "centro de detenção" da patrulha de fronteira.

Lá, são mantidos em espaços fechados por cercas de metal, divididos por idade e sexo. Os irmãos também podem ser separados. Isso pode durar 72 horas, até que o caso seja resolvido, ou as crianças sejam enviadas para abrigos do Departamento de Saúde.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia