Mulher é presa na Austrália suspeita de esconder agulhas em morangos

Autoridades informaram que registraram quase 20 frutas infiltradas. Os supermercados retiraram os produtos das prateleiras. Muitos produtores destruíram suas colheitas e determinaram uma paralisação dos funcionários

Por O Dia

Polícia recomendou que usuários cortassem morangos antes de comê-los
Polícia recomendou que usuários cortassem morangos antes de comê-los -

Austrália - A Polícia de Queensland, na Austrália, prendeu uma mulher de 50 anos após uma complexa investigação após casos registrados em setembro em agulhas foram infiltradas em morangos na região. Os pelo menos cem incidentes causaram pânico e deixaram ao menos dois hospitalizados.

Após a descoberta de caixas de morangos contaminadas com agulhas, as autoridades de Queensland, no nordeste do país, notificaram o público sobre o risco no dia 12 de setembro.

A polícia coordenou uma investigação em nível nacional com várias agências governamentais, policiais e de inteligência.

Um grupo de trabalho da polícia foi estabelecido com oficiais do Comando Criminal Estadual coordenando a investigação junto com detetives em vários distritos policiais em Queensland.

Após uma extensa investigação, os policiais prenderam uma mulher de 50 anos na tarde deste domingo.

Ela deve se apresentar ao Tribunal nesta semana.

Segundo a polícia de Queensland, as investigações continuam.

Supermercado para de vender agulhas após escândalo 

A rede de supermercados Woolworths retirou de suas prateleiras na Austrália agulhas de costura devido ao pânico gerado no país após a descoberta destes objetos dentro de morangos e outras frutas.

A polícia afirma que foram relatados mais de cem incidentes envolvendo agulhas ou alfinetes em frutas em todo o país, depois dos primeiros casos registrados no Estado de Queensland, no nordeste do país. Dois homens foram hospitalizados após ingerirem frutas.

A maioria dos incidentes apontados à polícia eram apenas brincadeiras publicadas nas redes sociais. Dois menores foram interrogados pela polícia.

O grupo Woolworths anunciou que tomou "a medida de precaução" de retirar temporariamente as agulhas de suas prateleiras. A polícia ainda não identificou quem plantou agulhas nos morangos.

Austrália considera "terrorismo" casos de morangos com agulhas

O primeiro-ministro australiano Scott Morrison precisou anunciar, no fm de setembro, medidas de apoio aos agricultores depois que casos de morangos com agulhas dentro das frutas provocaram uma onda de pânico no país e na região.

Morrison anunciou o reforço dos controles de exportação para tranquilizar os clientes estrangeiros, assim como o financiamento de estudos para criar embalagens que evitem a manipulação dos morangos ou análises com raios X.

"Também estamos trabalhando para melhorar a comunicação na rede de abastecimento para os mercados internacionais", declarou o chefe de Governo.

A crise também afeta a Nova Zelândia, onde foram encontradas agulhas em morangos australianos importados.

A rede de supermercados de Singapura NTUC FairPrice confirmou a suspensão, por precaução, das importações de morangos australianos.

Na Austrália, os consumidores estão mobilizados para apoiar os produtores.

"Seja quem for o idiota que começou isto, sua idiotice foi completa e totalmente esmagada pelo bom caráter dos australianos que estão ao lado de nossos produtores de morango", disse o primeiro-ministro.

O primeiro-ministro australiano chamou, no dia 19 de setembro, de "terrorismo" os casos, registrados no país, de morangos com agulha dentro da fruta.

Scott Morrison também pediu aos australianos que preparassem bolos de morango para ajudar os agricultores e propôs uma mudança na legislação para que os autores do crime possam ser condenados a até 15 anos de prisão.

As autoridades informaram que registraram quase 20 morangos com agulha. Os supermercados retiraram as frutas das prateleiras. Muitos produtores destruíram suas colheitas e determinaram uma paralisação dos funcionários.

"Não estamos brincando", disse Morrison. "Não é aceitável", completou, antes de chamar o autor do crime de "covarde" e "verme".

*Com informações da AFP

Últimas de Mundo & Ciência