Equipes de resgate fazem buscas em zonas remotas após tsunami na Indonésia

Até o momento, passa de 400 o número de mortos

Por AFP

Tsunami varreu a região -

Indonésia - As equipes de resgate da Indonésia tentam, nesta quarta-feira, auxiliar os moradores bloqueados nas ilhas remotas após o tsunami desencadeado pela erupção do vulcão Anak Krakatau, na região costeira do país.  O balanço mais recente divulgado, nessa terça-feira, é de 429 mortos e 1.459 feridos, além dos desaparecidos.

Os trabalhadores humanitários advertiram que os recursos de água potável e medicamentos são insuficientes, o que provocou um alerta para uma possível crise sanitária. O tsunami deixou vários desabrigados, que permanecem em refúgios ou hospitais.

O tsunami atingiu, no sábado à noite, a costa do Estreito de Sunda, que separa as ilhas de Sumatra e de Java. O desastre deixou 429 mortos, 1.485 feridos e 154 desaparecidos, de acordo com a Agência Nacional de Gestão de Desastres.

Especialistas advertiram para o risco de novos tsunamis em consequência da atividade vulcânica, e um falso alerta provocou cenas de pânico na terça-feira. As áreas afetadas estão repletas de carros, barcos encalhados, móveis e escombros de diversos tipos.

O governo anunciou o uso de helicópteros para transportar mantimentos à população e ajuda às localidades mais remotas da região devastada, ao oeste de Java e sul de Sumatra. Centenas de indonésios permanecem bloqueados em pequenas ilhas do Estreito de Sunda. As autoridades pretendem resgatar estas pessoas de helicóptero ou barco. 

Cães farejadores das equipes de emergência tentam encontrar os desaparecidos, enquanto as famílias aguardam notícias nos centros de identificação de corpos. As esperanças de encontrar sobreviventes entre os escombros são praticamente nulas.

 

Últimas de Mundo & Ciência