Primeira ministra britânica busca apoio do parlamento para acordo do Brexit

Theresa May é líder dos conservadores e não conta com maioria absoluta no Parlamento, onde enfrenta oposição até de parte do próprio partido

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Theresa May
Theresa May -

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, presidirá um novo comitê para coordenar os preparativos para a saída da União Europeia (UE) e tentar convencer o Parlamento britânico a aprovar o acordo para o Brexit proposto pelo governo, que deve ser votado no dia 15 de janeiro.

De acordo com a BBC, Londres trabalha com a possibilidade de um Brexit sem acordo. Segundo a emissora, o comitê para a saída da UE terá 21 membros, entre eles os principais ministros, representantes do Partido Conservador e outras autoridades. O grupo assumirá as funções, que até agora eram exercidas por diversos departamentos governamentais, relativas à segurança e às fronteiras.

Theresa May tem pouco mais de uma semana para ressuscitar um acordo do Brexit, que continua frágil e sem apoio. Os deputados retomarão, nesta quarta-feira, o debate sobre o tratado que a premiê fechou com Bruxelas. A votação foi suspensa no dia 11 de dezembro, depois que May concluiu que não teria apoio parlamentar para aprovar os termos do acordo.

A expectativa é a de que a Primeira ministra explique se conseguiu ou não os "esclarecimentos" da UE sobre o texto. A líder dos conservadores não conta com maioria absoluta no Parlamento e enfrenta a oposição de parte do próprio partido.

A UE já advertiu que não pensa em mudar o tratado negociado, embora tenha se mostrado disposta a fazer "esclarecimentos" sobre seu conteúdo, em particular a respeito da cláusula de segurança para evitar uma fronteira física entre a Irlanda e a Irlanda do Norte, que será criada se não houver um acordo após o período de transição.

Até o momento, a questão irlandesa parece um beco sem saída para Theresa May. Parte de seu apoio parlamentar vem dos unionistas, que não aceitam que a Irlanda do Norte viva em um regime jurídico diferente de Londres - o que é praticamente impossível de conseguir se a fronteira física não for restabelecida.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia