Salvini liga para Bolsonaro e agradece pela prisão de Battisti: 'A mamata acabou'

Líder da extrema-direita italiana já havia agradecido Bolsonaro publicamente em suas redes sociais, com uma foto de Battisti preso e os dizeres 'È finita la pacchia', ou, 'A mamata acabou', em italiano

Por O Dia

Salvini ligou para Bolsonaro para agradecê-lo por sua atuação na prisão de Battisti
Salvini ligou para Bolsonaro para agradecê-lo por sua atuação na prisão de Battisti -

Rio - O Ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini, ligou para o presidente Jair Bolsonaro para agradecê-lo pela prisão de Cesare Battisti

O líder da extrema-direita italiana já havia agradecido Bolsonaro publicamente, em suas redes sociais, neste domingo, quando Battisti foi capturado na Bolívia. O ministro agradeceu ao presidente e "ao novo governo brasileiro pelo clima político alterado que, junto a um cenário político internacional em que a Itália se tornou protagonista, permitiu este sucesso aguardado por anos". Ele também colocou uma foto de Battisti detido com os dizeres "È finita la pacchia", ou, "A mamata acabou", em italiano.

O caso Battisti

Battisti foi condenado à prisão perpétua na Itália pelo assassinato de quatro pessoas – um guarda carcerário, um agente de polícia, um militante neofascista e um joalheiro de Milão – na década de 1970, quando integrava o grupo Proletários Armados pelo Comunismo. Ele nega as acusações e diz que foi vítima de perseguição política. No sábado, foi preso em Santa Cruz de La Sierra, uma das principais cidades da Bolívia.

O italiano passou 30 anos como fugitivo entre o México e a França e, em 2004, chegou ao Brasil, onde foi preso três anos depois. Em 2009, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a extradição em uma decisão não vinculativa que deixava a palavra final ao então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No último dia de seu segundo mandato, em 2010, Lula negou a extradição.

Em setembro de 2017, o governo italiano pediu ao ex-presidente Michel Temer a revisão da decisão sobre Battisti. No dia 13 de dezembro do ano passado, o ministro Luiz Fux determinou a prisão do ex-ativista. No dia seguinte, a extradição foi autorizada por Temer. Desde então, Battisti estava foragido.

* Com informações da Agência Brasil

Últimas de Mundo & Ciência