Escola desaba na Nigéria e deixa ao menos 10 crianças sob escombros

Imagens das televisões locais mostram o prédio de três andares desmoronado em uma área densamente povoada em Lagos

Por AFP, AFP

Crianças foram soterradas
Crianças foram soterradas -

Nigéria - O prédio de uma escola primária desabou nesta quarta-feira, em Lagos, Nigéria, e ao menos dez crianças se encontram sob os escombros, informou um membro das equipes de resgate que atuam no local. "Pelo menos dez crianças se encontravam dentro do prédio e acreditamos que estão vivas", afirmou a fonte.

Imagens das televisões locais mostram o prédio de três andares desmoronado em uma área densamente povoada da capital econômica da Nigéria. De acordo com a imprensa, o prédio seria residencial, mas haveria uma escola primária no terceiro andar da construção.

Área é densamente povoada - Segun Ogunfeyitimi / AFP

Contactado pela AFP, o porta-voz dos Serviços de Emergência da Nigéria (Nema), Ibrahim Farinloye, confirmou o incidente, sem dar maiores detalhes. "Eu não posso te dizer muito mais por enquanto, nossas equipes estão no local e a situação é confusa", afirmou.

Desabamentos mortais ocorrem com frequência na Nigéria, onde as regras de construção são rotineiramente desrespeitadas.

Crianças foram soterradas - Segun Ogunfeyitimi / AFP

O incidente mais conhecido ocorreu em setembro de 2014, quando 116 pessoas, incluindo 84 sul-africanos, morreram em Lagos, após o colapso de um prédio de seis andares no qual um proeminente tele-evangelista, Joshua TB, estava pregando. A investigação encontrou falhas estruturais do edifício, cuja construção era ilegal.

Em dezembro de 2016, pelo menos 60 pessoas foram mortas pelo colapso do teto de uma igreja em Uyo, capital do Estado de Akwa Ibom, no leste do país.

Área é densamente povoada - Segun Ogunfeyitimi / AFP

Galeria de Fotos

Crianças foram soterradas Segun Ogunfeyitimi / AFP
Crianças foram soterradas Segun Ogunfeyitimi / AFP
Área é densamente povoada Segun Ogunfeyitimi / AFP
Área é densamente povoada Segun Ogunfeyitimi / AFP

Comentários