Maduro decreta racionamento de energia e redução de jornada de trabalho na Venezuela

Decreto vem milhões de venezuelanos ficaram sem uma gota d'água em um cenário de desabastecimento provocado pela série de apagões registrados desde o início de março

Por AFP

Maduro atribui os apagões a atos de sabotagem
Maduro atribui os apagões a atos de sabotagem -

Caracas - Milhões de venezuelanos ficaram sem uma gota d'água em um cenário de desabastecimento provocado pela série de apagões registrados desde o início de março, que levaram o presidente Nicolás Maduro a decretar um racionamento da energia elétrica e a reduzir a jornada de trabalho.

"Temos crianças pequenas e não temos como dar uma gota de água para beber", afirmou Maria Rodríguez em Caracas.

Diante da situação, Maduro anunciou no domingo, em uma cadeia de rádio e TV, um plano de racionamento de energia elétrica por 30 dias, período em que espera solucionar os problemas que provocaram uma série de apagões desde 7 de março no país de 30 milhões de habitantes.

No domingo houve uma série de protestos espontâneos motivados pela falta de energia elétrica, vários deles reprimidos pelos coletivos - como são conhecidos na Venezuela os grupos de civis armados vinculados ao governo socialista -, denunciaram manifestantes e ONGs.

Maduro atribui os apagões a atos de sabotagem e autorizou os coletivos civis que apoiam o governo a conter os protestos que chama de "guarimbas violentas" para derrubá-lo.

O governo chavista também decidiu manter a suspensão das atividades escolares e estabeleceu uma jornada de trabalho até as 14h em instituições públicas e privadas, informou o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez.

O comunicado lido pelo ministro não explica por quanto tempo prosseguirá a redução da jornada de trabalho ou a suspensão das aulas. Maduro afirmou que as atividades escolares podem ser retomadas entre terça-feira e quarta-feira.

Não temos água, não temos luz, não temos Internet, não tempos telefones, estamos incomunicáveis. Chegamos ao pior que poderíamos imaginar", afirmou Joaquín Rodríguez à AFP.

Comentários