Cientistas querem 'desmatamento zero' na Amazônia

Os autores do texto propõem o que chamam de "equação do uso do solo" - um plano que considera a complexidade da Amazônia, bem como particularidades e necessidades de cada setor e estado.

Por REVISTA PLANETA

Relatório aponta ligação entre redes criminosas e desmatamento
Relatório aponta ligação entre redes criminosas e desmatamento -
Madrid - Um artigo publicado na revista “Land Use Policy”, elaborado por pesquisadores do Instituto Ambiental de Pesquisa da Amazônia (IPAM) e do Woods Hole Research Center, dos Estados Unidos, mostra pela primeira vez como a implementação de estratégias específicas para as quatro grandes categorias fundiárias pode levar ao desmatamento zero na Amazônia e, ao mesmo tempo, estimular o desenvolvimento sustentável na região. Os autores do texto propõem o que chamam de “equação do uso do solo” – um plano que considera a complexidade da Amazônia, bem como particularidades e necessidades de cada setor e estado.
Eles sugerem ações em quatro frentes: áreas não designadas, terras públicas hoje à mercê da grilagem; áreas privadas onde há vegetação nativa além do estabelecido por lei; propriedades privadas de médio e grande porte; e áreas de produção familiar. 
"O Brasil pode provar aos outros países que é possível conter o desmatamento e aumentar a produção, ajudando a alimentar o mundo enquanto combate as mudanças climáticas e promove o desenvolvimento regional. Tudo ao mesmo tempo e com ganhos reais ao meio ambiente e às pessoas", diz o diretor-executivo do IPAM e um dos autores do estudo, André Guimarães.
"Mas isso pressupõe promover investimentos inteligentes no campo, manter e fortalecer as políticas ambientais existentes no país e acabar com o desmatamento ilegal, como exigido no Acordo de Paris."
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários