Presidente norte-americano, Donald Trump - Win McNamee / AFP
Presidente norte-americano, Donald TrumpWin McNamee / AFP
Por AFP
Publicado 03/11/2020 15:59 | Atualizado 03/11/2020 16:00
Washington - Os americanos têm o "direito de conhecer" o vencedor no dia da eleição, declarou nesta terça-feira o presidente Donald Trump durante uma visita à sede da campanha do Partido Republicano na Virgínia.
"Deveríamos ter o direito de saber quem ganhou em 3 de novembro", dia da eleição, insistiu Trump, quando o fluxo maciço de votos antecipados poderia atrasar a contagem dos votos e, portanto, o anúncio dos resultados.
Publicidade
Um número inédito de votos antecipados já foi registrado - mais de 100 milhões, principalmente pelo correio - enquanto outros americanos corriam para as urnas, que dependendo do estado permanecerão abertas até 04h (horário local) da quarta-feira.
Trump previu ter uma "chance muito grande de ganhar" durante uma entrevista por telefone à Fox News, na qual considerou como "terrível" e "perigoso" o fato de que milhões de votos por correspondência demorassem a ser contados, mas minimizou as afirmações de que planeja se declarar o vencedor antes do processo eleitoral se completar.
Publicidade
"Acho que vamos ter uma vitória, mas apenas quando houver vitória", disse ele. "Não há motivos para jogos".
Enquanto Trump atacava seu rival e alertava sobre o risco de o país se tornar "socialista", Biden compareceu à missa em Wilmington, Delaware, onde reside. Naquela igreja a que ele vai todos os domingos estão os túmulos do seu filho Beau e de sua primeira esposa e filha, que morreram de forma trágica.
Publicidade
"Hoje, vote por um novo dia nos Estados Unidos", tuitou o ex-senador de Delaware.
Trump, de 74 anos, o primeiro presidente a tentar ser reeleito após ser absolvido do impeachment, aparece atrás nas pesquisas contra Biden, de 77 anos, que é pela terceira vez candidato à presidência.
Publicidade
Em nível nacional, o ex-vice-presidente de Barack Obama apresenta 50,7% de pessoas o apoiando diante dos 44% do atual presidente, e tem uma liderança de 2,3 pontos percentuais em estados-chave para vencer a eleição, segundo a média das pesquisas feitas pelo RealClearPolitics.
Mas, como Hillary Clinton há quatro anos, Biden pode ganhar o voto popular e perder a Casa Branca por não conseguir os 270 votos do Colégio Eleitoral necessários para vencer no sistema americano de sufrágio universal indireto.

Trump conquistou 306 votos eleitorais em 2016 e previu nesta terça-feira que se sairia ainda melhor desta vez.