Por

Brasília - Lançado em 2017 pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o 'Guia de segurança pessoal para magistrados' traz orientações a juízes, como usar nome diferente para fazer reservas em restaurantes e evitar embriaguez. Mas, ao que parece, o presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil, Roberto Veloso, e o presidente do TRF-4, Thompson Flores, não seguem à risca as recomendações da cartilha.

Eles estiveram em Brasília para tratar da segurança de juízes e magistrados durante o julgamento do ex-presidente Lula e falaram de ameaças com a imprensa (caso de Veloso), com o ministro da Justiça, Torquato Jardim, e com a presidente do STF, Cármen Lúcia.

Cautela

O guia, no entanto, é claro: "Tenha cautela na exposição à mídia, não se mostre de maneira que o público pense que você teme atos violentos ou os subestima".

Ameaças

O presidente da Ajufe, Roberto Veloso, diz que as ameaças não são recorrentes e é "esse caso (julgamento de Lula) que está tomando uma proporção nunca antes vista no Brasil".

Intervenção

Para conter o avanço da crise no sistema prisional de Goiás, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, destacou o desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Carlos Vieira Von Adamek, e os juízes do DF, Márcio Evangelista e Márcio da Silva Alexandre, para fazer inspeção rigorosa nas Varas de Execuções Penais do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO).

Toma lá, da cá

O presidente Michel Temer faz nova ofensiva para reverter os votos de deputados indecisos e aprovar a Reforma da Previdência na Câmara em fevereiro. A pedido da cúpula palaciana, ministros concluíram levantamentos de programas e recursos disponíveis para bases eleitorais de parlamentares aliados em capitais e municípios.

Avançar

O Ministério das Cidades, comandado por Alexandre Baldy, é a principal porta de saída de recursos federais. Só do programa Avançar Saneamento, por exemplo, a pasta dispõe de mais R$ 7 bilhões para 2018 que estão sendo liberados a toque de caixa.

Eletrobras 1

Depois da liminar que proíbe a privatização da Eletrobras, chegou à Justiça nova ação (Popular Preventiva) para impedir o governo de contratar estudos sobre a desestatização da empresa.

Eletrobras 2

De acordo com a Federação Nacional dos Urbanitários e Coletivo Nacional de Energia, autores da ação, estudos realizados pelo BNDES para avaliação e modelagem da privatização das distribuidoras já custaram R$ 19 milhões.

Recall

Permanece esquecida há mais de um ano e cinco meses na Comissão de Constituição e Justiça do Senado a proposta que prevê a revogação de mandatos de governadores, prefeitos, senadores e do presidente da República. A proposta recebeu parecer favorável do relator na comissão, senador Magno Malta (PR-ES), e aguarda a votação no colegiado desde agosto de 2016.

Arrependimento

O autor da proposta, senador Cristovam Buarque (PPS-DF), afirma que a revogação existe em outros países e dá ao eleitor o "direito de se arrepender". Consulta feita pelo Senado mostra que mais de 3 mil pessoas são favoráveis ao projeto e apenas 280 contrárias.

Em Londres

Foi inaugurado o Comitê Internacional em Solidariedade a Lula em Londres, na Inglaterra, com a presença de brasileiros dos movimentos Democracy for Brasil UK e Arts for Democracy, além de militantes da França, Portugal, Bolívia e Peru.

Ponto Final

"O que interessa a ele (Bolsonaro) é fugir do debate sobre o uso do dinheiro público e aproveitar para reforçar o personagem de machão", presidenciável Manuela D'Ávila (PCdoB-RS)

Coluna de Leandro Mazzinni

Você pode gostar
Comentários