Há três pontos específicos onde o sexo grupal e ao ar livre normalmente acontece no Parque da Cidade: no Estacionamento 8, nas área das churrasqueiras e atrás do Departamento de Polícia Especializada (DPE)
Há três pontos específicos onde o sexo grupal e ao ar livre normalmente acontece no Parque da Cidade: no Estacionamento 8, nas área das churrasqueiras e atrás do Departamento de Polícia Especializada (DPE)Reprodução
Por O Dia
As noites no Parque da Cidade, em Brasília (DF), têm sido de bastante agitação. Neste período de pandemia, em que as restrições têm interrompido festas e aglomeração de pessoas, casais adeptos do swing têm encontrado no local uma saída para seus encontros clandestinos. Por meio de grupos no WhatsApp, as pessoas organizam o encontro que acontece em estacionamentos, ambientes com churrasqueiras públicas e até mesmo em bancos ao ar livre - e reúnem curiosos, que aproveitam a proximidade para participar da transa generalizada. As informações são do portal “Metrópoles”.
Com o lockdown imposto pelo Governo do Distrito Federal, homens e mulheres passaram a organizar os encontros que, geralmente, são breves, decididos em poucas horas. Essa foi a alternativa encontrada pelos casais de swing para manter seu fetiche. Há três pontos específicos onde o sexo grupal e ao ar livre normalmente acontece no Parque da Cidade: no Estacionamento 8, nas área das churrasqueiras e atrás do Departamento de Polícia Especializada (DPE).
Publicidade
No estacionamento, os casais chegam de carro, estacionam e a comunicação pode acontecer ainda dentro do veículo: ao abrir as portas e ligar os faróis, às vezes até saindo do carro para observar as pessoas, o interesse é manifestado e o sexo começa ali mesmo, com mulheres escoradas na porta dos veículos, nos bancos dianteiros ou até na vegetação que envolve o local. Um local que fica atrás do DPE também agrada aos swingers, já que é protegido por um mato que acaba ‘escondendo’ a movimentação.
A movimentação começa cedo: normalmente, depois das 20h. As churrasqueiras do parque servem também como um local coringa, onde, invariavelmente, dois, três ou até quatro casais se encontram para o sexo sem compromisso. Por vezes, o local também é utilizado para churrasco com cerveja e pequenas festas, enquanto a transa acontece. Segundo um homem que costuma frequentar os eventos e falou ao Metrópoles, o lugar fica sempre deserto à noite e os encontros passaram a acontecer mais cedo após o lockdown.
Publicidade
Ele conta que “tudo acontece muito rápido, entre 19h e 21h30. Em questão de minutos, as festinhas são montadas, o povo transa e entram nos carros deixando o parque o mais rápido possível”. Pela rotina dos eventos, grupos de homens e até motoboys que passam pelo local durante o trabalho costumam parar e participar do sexo por alguns minutos. Alguns, inclusive, sem nem tirar o capacete.