Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco ROQUE DE SÁ/AGêNCIA SENADO
Por ESTADÃO CONTEÚDO
O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse nesta quinta, 25, que a Polícia Legislativa vai investigar o gesto do assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência, Filipe Martins, que nesta quarta-feira, 24, durante audiência pública do chanceler Ernesto Araújo, fez um gesto ofensivo com a mão, interpretado por alguns como um símbolo de supremacismo branco e, por outros, como simplesmente obsceno. Nas redes sociais, Martins disse apenas arrumava o paletó.
"Imediatamente determinei à Secretaria Geral da Mesa que colhesse as imagens e as encaminhasse à Polícia Legislativa, para que, através de um procedimento próprio, investigue o fato, materialize a conduta através das provas a serem constituídas, identifique a autoria e avalie a tipicidade penal do fato", afirmou.
Publicidade
"Não podemos ter pré-julgamentos em relação ao fato, mas, verdadeiramente, vendo as imagens, identificamos um gesto completamente inapropriado para o ambiente do Senado. Queremos repudiar todo e qualquer ato que envolva racismo ou discriminação de qualquer natureza e repudiar qualquer tipo de ato obsceno também, caso tenha sido essa a conotação".
Pacheco disse que o Senado "não é lugar de brincadeira", mas de trabalho sério. "Estávamos trabalhando e buscando soluções e informações de um ministério que está muito aquém do desejável para o Brasil".
Publicidade
O presidente do Senado disse que será garantida ampla defesa e contraditório na apuração de fatos contra Filipe Martins. "Esse é o tratamento adequado em um Estado Democrático de Direito para um episódio dessa natureza".