Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo
Ministro das Relações Exteriores, Ernesto AraújoValter Campanato/Agência Brasil
Por ESTADÃO CONTEÚDO
O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse que o depoimento do chanceler Ernesto Araújo aos senadores nesta quarta, 24, deixou claro que é preciso haver uma mudança na política externa do governo. Apesar de a declaração aumentar a pressão do Parlamento pela saída do ministro, Pacheco disse, no entanto, que não estava cobrando a demissão de Araújo. Para ele, a prerrogativa de escolha de ministros é do presidente Jair Bolsonaro.
"Muito além da personificação ou exame sobre o trabalho específico do chanceler, o que tem que mudar é a política externa e o Brasil, evidentemente ela precisa ser melhorada e aprimorada", disse. "Isso é algo que está evidenciado a todos, não só ao Congresso Nacional, mas a todos os brasileiros que enxergam essa necessidade do Brasil ter uma representatividade externa melhor do que tem hoje", afirmou.
Publicidade
Segundo Pacheco, "só pode demitir aquele que admite". "Esse é o papel do presidente da República, ele haverá de tomar as melhores decisões para melhorar o governo", disse.
Pacheco afirmou que o Brasil cometeu "muitos erros" no combate à pandemia, entre eles o não estabelecimento de relações diplomáticas com países que poderiam colaborar com o País neste momento. "Ainda está em tempo de mudar para poder salvar vidas. Infelizmente perdemos muitas vidas", disse ele, evitando, no entanto, responsabilizar o governo federal pelas mortes.
Publicidade
Pacheco disse que a mudança na política externa deve priorizar a obtenção de parcerias internacionais. Ele destacou que a Comissão de Relações Exteriores (CRE), presidida pela senadora Kátia Abreu (PP-TO), fez um apelo por ajuda internacional ao País.
O senador disse ainda que o comitê de crise da covid-19 será um ambiente de consenso e de busca de soluções para o enfrentamento da doença. Segundo ele, o Congresso tem essa intenção e é preciso que o governo federal também mostre essa disposição.
Publicidade
Lira insatisfeito
Pacheco disse que o discurso de ontem, 24, do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), foi uma demonstração de "insatisfação" em relação à condução da crise sanitária pelo governo. "A manifestação de Lira é legítima, de alguém que preside a casa do povo, de insatisfação", afirmou. "Câmara e Senado buscam de todas as formas ter ambiente de consenso, pacificação e busca de soluções e isso precisa, do outro lado, do governo federal, essa mesma postura e vontade".