Bolsonaro gastou R$ 1,2 milhão com campanha; Haddad R$ 12 milhões

Candidato do PSL arrecadou R$ 1,5 milhão em vaquinhas; petista foi turbinado por fundo partidário

Por Leandro Mazzini

Brasília - O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) arrecadou em 'vaquinhas' virtuais perto de R$ 1,5 milhão do total de R$ 1,9 milhão que rodou no caixa inclusive com fundo eleitoral. Gastou R$ 1,2 milhão para ir ao segundo turno. Modesta campanha, se comparadas com anteriores.

Para correr o país na tentativa de colar sua imagem na do padrinho e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Haddad (PT) foi turbinado pelo fundo eleitoral do PT: R$ 12 milhões em gastos dos R$ 28 milhões arrecadados muito disso com programas de TV e com fretamento de jatinhos.

Novos tempos

Romeu Zema (Novo), que liderou o primeiro turno bem à frente do concorrente tucano Antonio Anastasia na disputa pelo governo de Minas Gerais, investiu apenas R$639.110,13. E sem dinheiro público.

Novos tempos 2

Já a campanha de Anastasia (PSDB), o ex-governador aliado de Aécio que tenta voltar ao poder e vai ao segundo turno contra Zema, até ontem custou R$ 9.380.406,65.

Parem o mundo!

E o Cabo Daciolo? O 'animador' de debates não investiu nem R$ 1 mil na campanha. E ficou à frente de Marina Silva e Meirelles que gastou uns R$ 40 milhões.

Oito metas...

Logo após o resultado do primeiro turno das eleições presidenciais, caciques do PT elaboraram um documento com oito pontos que traçam a 'estratégia' para a militância no segundo turno. Um das recomendações é concentrar a atenção em 'ciristas' (eleitores de Ciro Gomes) anti-PT, indecisos e nulos.

...do PT Zen

Outro ponto prega o foco do debate em trabalho, renda, economia e saúde. 'Evitar temas morais', indica a cartilha. O oitavo ponto do documento sinaliza a postura zen do PT ao orientar a militância a não centralizar as 'falas' em Bolsonaro e focar na positividade de Haddad e Manuela d'Ávila.

Rádio Bolsonaro

Coordenadores da campanha de Bolsonaro vão avançar sobre o eleitorado petista, indecisos e eleitores que votaram nulo ou em branco no Nordeste única região do país onde Haddad venceu. Vão recorrer a rádios com grande alcance nos rincões.

Claro, claro

A segurança pública é o foco. O Nordeste concentra cinco dos 10 estados com maiores taxas de homicídios por 100 mil habitantes: SE, AL, RN, PE e BA.

Vestibular

A disputa pelas cadeiras de deputado federal foi bem acirrada este ano: foram, em média, 16 candidatos para cada uma das 513 vagas da Casa.

Não é o Lula

Terra natal do ex-presidente Lula, Garanhuns (PE) registrou queda expressiva no apoio ao PT no primeiro turno. Haddad teve pouco mais de 50% dos votos e Jair Bolsonaro (PSL) 26%. Em 2014, a ex-presidente Dilma teve mais de 80% dos votos na cidade. Em 2006, Lula obteve 90% dos votos em seu reduto.

Efeito Temer

Os principais partidos que votaram contra as duas denúncias e salvaram o presidente Michel Temer amargaram a redução de suas bancadas na Câmara Federal. O MDB, partido de Temer, perdeu 17 cadeiras. O DEM, que tem atualmente 43 deputados, terá 29 parlamentares a partir de 2019.

Segue a dança

O PP perdeu 13 cadeiras e o PSD terá 34 deputados na próxima Legislatura atualmente, a legenda conta com 37 parlamentares. Já o PTB, que ocupou o Ministério do Trabalho no governo Temer, perdeu seis cadeiras na Câmara.

Boletim do Campus

Reitores de universidades federais intensificaram a campanha anti-Bolsonaro na véspera do primeiro turno. Os campi universitários são os maiores focos de rejeição ao candidato do PSL. Em carta enviada aos professores da UnB, a reitora Márcia Abrahão escreveu: "Quando hoje nos deparamos com manifestações públicas que contrariam os valores estabelecidos em um Estado democrático de direito, não podemos ignorar".

Turma da lousa

Também em comunicado aos professores universitários, o Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás pontuou que o ódio e a intolerância são os maiores destaques nesta eleição presidencial 'enquanto pautas importantes são tratadas de forma secundária'.

Comentários