O presidente eleito, Jair Bolsonaro após reunião com o comandante da Marinha, Eduardo Bacellar Leal, em Brasília - Valter Campanato / Agência Brasil
O presidente eleito, Jair Bolsonaro após reunião com o comandante da Marinha, Eduardo Bacellar Leal, em BrasíliaValter Campanato / Agência Brasil
Por Leandro Mazzini

Brasília - O governo civil formado por militares que o presidente eleito Jair Bolsonaro esboça, para prestigiar as Forças Armadas, deve ser limitado, ao contrário do que previa. Haverá oficiais nos ministérios - ministros ou chefias de segundo escalão -, porém muitos da turma do quepe não poderão ser convocados para a direção de empresas públicas por causa da nova Lei das Estatais.

Está bem claro na Lei 13.333, em parágrafos do Artigo 17. A legislação, recente, restringe a técnicos com atuação de 10 anos no setor público ou privado o indicado para comando das estatais - e muitos oficiais cotados estão nos quartéis, ou nos administrativos dos Comandos.

Restrições

Outro parágrafo determina que o diretor, vice-diretor, ou membro de conselho da estatal tenha pelo menos quatro anos em cargos de chefias de empresas públicas ou mistas.

Te cuida, povo

Haverá atiradores de elite nos terraços dos prédios da Esplanada durante a solenidade de posse de Jair Bolsonaro na rampa e parlatório do Palácio, dia 1º de janeiro.

Aliás...

...Bolsonaro foi aconselhado pelo serviço de inteligência a evitar desfile em carro aberto. Se o fizer, será por conta e risco próprios.

Arapongagem

Agentes de inteligência fixaram pontos na Esplanada nesta terça-feira, com a visita do presidente eleito. Um deles, num carro na praça, observava fila de convidados no Palácio.

Perda lamentável

O professor João Ricardo Moderno, que morreu de infarto nesta terça dentro de avião no Aeroporto do Galeão, estava a caminho de Brasília. Amigo do general Mourão, futuro vice-presidente, Moderno - presidente da Academia Brasileira de Filosofia - era o nome para assumir a Reitoria da UFRJ.

Em nota, a assessoria da UFRJ informou que "o processo eleitoral para a próxima gestão ainda não foi aberto e que João Ricardo Moderno sequer pertencia ao quadro de docentes da UFRJ."  

Ainda de acordo com a instituição, "de acordo com o estatuto da Universidade, a escolha para o cargo de dirigente máximo passa por consulta à comunidade interna e, posteriormente, por deliberação autônoma dos colegiados superiores da UFRJ".

"A escolha do reitor ou reitora, de forma independente, pela comunidade acadêmica, está garantida pelo artigo 207 da Constituição Federal", finaliza o comunicado.

Lousa sem Partido

Para evitar nesta quarta-feira protestos de alunos e professores durante a votação do projeto de lei da chamada Escola sem Partido (PL 7180/14), o presidente da Comissão Especial que analisa a matéria, Marcos Rogério (DEM-RO), pretende fechar a reunião ao público. Deputados do PT já avisaram que não aceitarão isso.

Oposição estudantil

Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de São Paulo, Eduardo Suplicy (PT) reunirá nesta quinta-feira, na Alesp, representantes de movimentos sociais, professores e lideranças do movimento estudantil para discutir estratégias para relacionamento com os futuros governos Bolsonaro e Doria.

Fala, Suplicy

"Estão todos muito preocupados com um possível desrespeito à Constituição. Ficaremos vigilantes e unidos para que direitos não sejam violados", diz o vereador.

Confronto

Na última reunião, houve embate entre alunos e professores com defensores do PL Escola sem Partido. O texto elenca uma série de proibições para os professores das escolas públicas e privadas da Educação Básica, como promover opiniões, concepções, preferências ideológicas, religiosas, morais, políticas e partidárias.

Infraestrutura

Há seis meses no cargo e a pouco mais de dois meses para o fim do atual governo, o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro Silva, apresenta nesta quarta os desdobramentos do Plano Nacional de Logística a gestores públicos e privados.

Reféns da estrada

Casimiro vai palestrar no 5º Encontro da Associação dos Terminais Portuários Privado. O PNL traz opções para estancar a dependência do transporte de cargas por rodovias.

Cultura & memória

Assistente de direção de Silvio Tendler no seriado "Há muitas noites no exílio", sobre o avô, Ferreira Gullar, Juliana Aragão Ferreira concluiu o roteiro do documentário que vai fazer sobre sua avó, Teresa Aragão, que criou o Centro de Cultura Popular da UNE. Ela foi casada com o grande poeta até morrer de infarto em 1992.

Você pode gostar
Comentários