Bolsonaro e ministros são favoráveis a zerar IPI de xarope de refrigerantes

Hoje, duas gigantes fabricantes de refrigerantes e cervejas usam créditos de IPI, em vez de pagar os impostos, para abater em outros tributos do setor, onerando os cofres dos Estados

Por Leandro Mazzini

Brasília - O presidente Jair Bolsonaro e os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da agricultura, Tereza Cristina, acenaram favoravelmente ao pleito apresentado pelos representantes dos produtores nacionais de cerveja e da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Indústria Brasileira de Bebidas.
Eles defendem que o Governo reduza a zero o Imposto sobre Produto Industrializado de xarope de refrigerantes produzido na Zona Franca de Manaus, tornando assim o mercado mais competitivo e deixando o produto – assim se espera do fabricante e revendedor – com preço mais baixo na praça.
Hoje, duas gigantes fabricantes de refrigerantes e cervejas usam créditos de IPI, em vez de pagar os impostos, para abater em outros tributos do setor, onerando os cofres dos Estados.

Consumo

Se aprovada, a esperada inversão do tributo reforçará em dezenas de milhões os cofres dos Estados nos próximos 12 meses. A frente é presidida pelo deputado Fausto Pinato.
Do balcão
A Bahia ganharia R$ 71,15 milhões, seguida por Minas (R$ 69,64 milhões) e SP (R$ 56,10 milhões). O DF encerra a lista com ganhos aproximados de R$ 2,7 milhões.
Água no chope
Segue também a luta dos cervejeiros artesanais e pequenos fabricantes para redução de impostos sobre o produto, que chega a até 60% de impostos sobre matéria-prima.
Controle aéreo
Há uma silenciosa preocupação dos militares sobre o número de controladores de voos em atividades hoje no País. Fontes do setor aeronáutico e de companhias aéreas indicam que o padrão normal de serviço é cada controlador monitorar até seis aeronaves em voo, simultaneamente. Hoje, esta relação estaria em um profissional para 10 aviões.
Casa das Cobras
É briga de gigante a posse da Casa das Cobras, em Arraial D’Ajuda (BA), arrematada em confuso leilão judicial por um filho do deputado federal Ronaldo Carletto (Progressistas-BA) e que voltou para as mãos da dona, Nora Rabelo, herdeira do Banco Rural. A família do deputado move contatos jurídicos e judiciais para reverter a decisão.

Arte no picadeiro
A Câmara aprovou regime de urgência para discussão em plenário do projeto de lei que proíbe o uso de animais em circos. Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, com leis estaduais, já barraram animais em circos.
Apagão = conta menor
Em 2018, relatório da Anatel contabilizou 20 mil reclamações de consumidores sobre iluminação pública. O deputado Célio Studart (PV-CE) apresentou projeto de lei permitindo ao consumidor requisitar a isenção da taxa cobrada pelos municípios relativa a esse serviço em caso de prestação inadequada.
FGTS na mão
O líder do Cidadania na Câmara, Daniel Coelho (PE), apresentou projeto de lei que autoriza ao trabalhador sacar os recursos do FGTS todo Janeiro. Argumenta que é forma de injetar mais dinheiro na economia, hoje estagnada.
Saldo no azul
Sabe quanto o Governo tem guardado de saldo de FGTS dos ativos? Mais de R$ 400 bilhões.

Comentários