'Culturagate'

Ministério Público Federal investiga desvio de dinheiro da Cinemateca

Por O Dia

Regina Duarte pode virar alvo de investigação do MP Federal
Regina Duarte pode virar alvo de investigação do MP Federal -

Brasília - O próximo escândalo pode ser a 'Lava Jato' da Cultura no Governo Federal. O Ministério Público Federal já está com lupa no destino do dinheiro da Cinemateca. Procuradores reduziram de 60 para 10 dias o prazo para a Secretaria Especial de Cultura responder. Antigos secretários podem virar alvos judiciais — até a atriz Regina Duarte, que acaba de deixar o posto, porque assinava calhamaços de documentos sem ler os detalhes, contam fontes. Há suspeita de que o dinheiro do setor boia no Lago Paranoá em lanchas de 36 a 50 pés, e bancou passeios na Disney e Miami.

Sofra, brasileiro

Na surdina, após trégua de dois meses, mas na pior fase da pandemia, a indústria farmacêutica reajustou o preço dos remédios no país no último dia 2. Com anuência das autoridades.

Espalha montinho

Nem o PT quer saber mais de Lula. Numa manifestação na Esplanada, Gilberto Carvalho - o ex-chefe de gabinete - pegou megafone e gritou Lula 2022. Não ficou um apoiador.

Energia solar

A CEB autorizou o projeto das sedes da Força Aérea Brasileira e da Agência Nacional de Energia Elétrica a montarem suas usinas de painéis fotovoltáicos, em Brasília.

Fundo para saúde

Em outra frente, o PRTB entrou com Ação Cautelar na Justiça Federal, que subiu para o Supremo Tribunal Federal. Nela, pede que o TSE não distribua o fundo de financiamento de campanha de R$ 2 bilhões. Para Fidelix, em meio a tanta crise na saúde com a pandemia, é um luxo dinheiro oficial para campanha eleitoral este ano, que deveria ser direcionado para o combate ao coronavírus. A conferir.

Em tempo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já tem novo alvo preferencial: o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Maia diz a deputados que é inconstitucional a nova Medida Provisória patrocinada pelo MEC, de intervenção na direção das universidades federais, com nomeação direta de reitores pelo ministro.

Sem votos

É outra MP que corre risco de 'caducar' na tramitação. Até hoje, desde a posse, o presidente Bolsonaro viu cair uma dezena de MPs suas, por falta de base no Congresso.

Homenagem

Morreu um médico na pequena Piripiri (PI), vítima de covid-19, contaminado por centenas de pacientes que tratou e curou. Seu nome é Eutrópio Monteiro.

Bahia esvaziada

Veja o tamanho da crise no trade turístico de Salvador com a pandemia: Na cidade, há 404 meios de hospedagem, e até 30 de maio havia apenas seis abertos (entre pousadas e hotéis), com uma média ocupacional de 10%. Em toda a Bahia, dos 4.200 meios de hospedagem, apenas 6% deles estão abertos, com a mesma taxa média de ocupação.

Pés na rua

Vem o pior: apenas na capital soteropolitana, mais de 80 mil empregados foram demitidos desde março nos setores de hospedagem, bares e restaurantes. Não há, ainda, como mensurar o tamanho do prejuízo nos empregos indiretos e toda a cadeia do setor.

Crise de confiança

Pesquisa da Sherlock Communications em seis países (Brasil, México, Argentina, Colômbia, Peru e Chile) revela que mais de 40% dos entrevistados não confiam no seu presidente quando assunto é o coronavírus. No Brasil e no Chile, são 64%. Mas 80% acreditam nas notícias online e nos sites de notícias tradicionais.

 

ESPLANADEIRA

O Chama, aplicativo que conecta revendedores de botijão de gás a consumidores, já aceita Cartão de Débito Virtual da Caixa, do auxílio emergencial.

Supermercados Mundial expandiram serviço de entrega em domicílio para Tijuca, através da Rappi.

O grafiteiro DicesarLove doou obra para a ação do G10 Favelas, que arrecada fundos para ações nas comunidades de Capão Redondo.

PRTB no front

Vice-presidente Hamilton Mourão - Paulo Guereta

O PRTB, partido do vice-presidente General Mourão (foto), legenda comandada por Levy Fidelix, resolveu fazer barulho em duas frentes. Numa delas, protagoniza nas assembleias legislativas pedidos de impeachment de dois governadores: de Santa Catarina, Carlos Moisés (que rompeu com Bolsonaro); e o do Amazonas, Wilson Lima.

Comentários