Produtor de Mr. Catra e mais famosos, Dennis DJ une funk e sertanejo em baile

A lista de convidados inclui os MCs Koringa, Buchecha e Nego do Borel, Monobloco e a dupla João Lucas e Marcelo

Por tabata.uchoa

‘Quero criar um baile funk diferente%2C que não tenha só caixa de som e bunda rebolando’%2C diz Dennis DJGabriel Wickbold / Divulgação

Rio - ‘Minha ideia é criar um baile diferente, que não tenha só caixa de som, bunda rebolando. Me inspiro na música eletrônica, no David Guetta, e tudo que faço em estúdio quero fazer no palco”, anuncia Dennis DJ, que comemora dois anos de seu baile no dia 23 de maio, pela primeira vez no Vivo Rio. A lista de convidados para a festa inclui os MCs Koringa, Buchecha e Nego do Borel, a turma do Monobloco e uma dupla sertaneja: João Lucas e Marcelo, com quem recentemente lançou a canção ‘Vamos Beber’. Os dois sertanejos até arrumaram outro convidado bem especial para a gravação da música e do clipe: o jogador Ronaldinho Gaúcho.

“João Lucas e Marcelo mostraram ‘Vamos Beber’ para ele num churrasco, e Ronaldinho saiu cantando. Me ligaram: ‘Você não vai acreditar se eu te falar quem passou a tarde inteira cantando a música’. Ele acabou topando fazer vocais. Fomos na casa dele gravar”, recorda o DJ, que já havia participado de um show deles.

“Me chamaram para fazer o ‘Eu Quero Tchu, Eu Quero Tcha’ (hit deles) num show em São Paulo. Negociei de tocar duas músicas enquanto trocavam de roupa e fiz ‘Louca, Louquinha’ e ‘Prisioneira’”, conta, lembrando que na era do funk melody, nos anos 90, já rolavam encontros entre os dois estilos. “Os DJs pegavam o ‘Jack Matador’, que era da dupla Leo Canhoto e Robertinho, e faziam montagens em cima. Não era a mesma coisa, claro, mas já era um começo.”

DJ desde 1997 (começou fazendo bailes em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, onde morava), Dennis pôs a mão, como autor ou produtor, em hits cheios de coreografias com ‘Um Tapinha Não Dói’ (Naldinho e Bela), ‘Cerol Na Mão’ (Bonde do Tigrão), ‘Louca, Louquinha’ (K9), ‘Tô Tranquilão’ (MC Sapão, de quem foi empresário) e ‘Melô do Popozão’ (na qual solta a voz ao lado de Rock e Dentinho). E também em ‘Jonathan da Nova Geração’, hit infantil do hoje adulto (e namorado da atriz Antonia Fontenelle) Jonathan Costa.

“Nos anos 90, o funk tinha passos, mas faltava uma coreografia, como as que tinham no axé e no pagode, aquela coisa do ‘bota a mão no joelho, na bundinha’. Depois, uma geração nova surgiu e apresentou o funk para a classe A. E as coreografias pegaram, porque a mulherada ficava maluca”, recorda Dennis, que recentemente tocou no aniversário de Giulia, filha da atriz Flávia Alessandra, e na festa de fim de ano de Angélica e Luciano Huck.

Além de levar vários convidados para o palco no Vivo Rio, Dennis vem criando várias parcerias em outro projeto, o Dennis Feat., igualmente inspirado no DJ popstar David Guetta (com quem, por sinal, já tirou uma foto e trocou algumas palavras). Entre os encontros que já promoveu (e que viraram música e clipes, alguns rodados fora do Brasil), estão os de Naldo Benny, MC Koringa e Mr. Catra, em ‘Quero Te Provar’. E o do funkeiro Marcio G com a galera dos Hawaianos, em ‘Incrível’.

“Trabalhei com o Catra em 2005 quando o chamei para gravar ‘Vem Todo Mundo’, que eu produzi”, conta. “Ele estava até meio sumido. Lembro da época em que ele até falava: ‘Pô, a turma quer me ver é cantando rap, sou neurótico’. Mas depois todo mundo foi vendo que funk tinha musicalidade, que podia tocar no rádio.”

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia