Gisele Bündchen - Reprodução de Instagram
Gisele BündchenReprodução de Instagram
Por O Dia
Rio - Um grupo de voluntários da sociedade civil que incluí famosos analisou os dados da Covid-19 no país e decidiu agir na região mais afetada pela pandemia. Os povos indígenas e as comunidades tradicionais da Amazônia apresentam índices de mortalidade 150% maior do que a média geral do Brasil. 
O movimento conta com o apoio de diversos nomes da classe artística e empresarial brasileira, como Gisele Bündchen, Sebastião Salgado, Caetano Veloso, Camila Pitanga, Céu, Débora Falabella, Fernando Meirelles, Gaby Amarantos, Guilherme Leal, Armínio Fraga, Ilona Szabó, Raí, Taís Araújo e Thainá Duarte, entre tantos outros. 
Publicidade
A campanha de doação pode ser acompanhada pelo site www.uniaoamazoniaviva.com, lançado oficialmente no dia 3 de julho. Todo o dinheiro arrecadado será investido em duas frentes: proteção à saúde (enfermarias de campanha, compra de EPIs, equipamentos hospitalares, testes rápidos e remoções por barcos locais e aviões); e apoio às comunidades (segurança alimentar, itens de higiene e campanhas informativas).

"No momento em que mais precisávamos de ajuda, recebemos a notícia da criação do União Amazônia Viva", diz o cacique Marivelton Baré, presidente da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN), que representa 23 povos diferentes da região.
"Esse movimento é uma esperança para enfrentarmos a luta contra esse vírus que pode exterminar etnias inteiras", afirma o líder indígena.