Produtora revela imagens de como o Titanic está desaparecendo no fundo do mar

Pela primeira vez em 14 anos, uma equipe mergulhou até o navio que naufragou em 14 de abril de 1912

Por REVISTA PLANETA

Titanic
Titanic -

Pela primeira vez em 14 anos, uma equipe mergulhou até o Titanic, navio que naufragou em 14 de abril de 1912.

As imagens da Atlantic Productions revelam como o navio está se degradando no fundo do mar do Atlântico Norte, próximo a Newfoundland, no Canadá, a 3.800 metros de profundidade.

A equipe usou o submarino “Limiting Factor”, com capacidade para duas pessoas. Foram feitos cinco mergulhos com o submarino, ao longo de oito dias. Pela primeira vez, foram feitas imagens do naufrágio com a tecnologia 4K.

As imagens de alta resolução vão possibilitar a construção de modelos em 3D do Titanic e a possibilidade de visualizar o naufrágio usando tecnologias de realidade virtual e realidade aumentada.

Segundo os cientistas que participaram da expedição, a corrosão causada pelo sal, somada a bactérias que se alimentam de metal e a ação das correntes são os fatores que causaram maior impacto no navio.

A equipe observou que uma das áreas de deterioração mais impressionantes é o setor dos alojamentos da equipe, onde ficavam as cabines do capitão. Nesse local, o casco entrou em colapso, derrubando junto os camarotes.

Segundo Lori Johnson, cientista que participou da expedição, o futuro do naufrágio é, naturalmente, se degradar cada vez mais. “A razão pela qual a deterioração acaba sendo mais rápido é a presença das bactérias, uma comunidade trabalhando simbioticamente para ‘comer’ o ferro e enxofre”, disse, em comunicado oficial.

A expedição foi realizada no começo de agosto e foi liderada pelo explorador Victor Vescovo, pelo especialista em Titanic Parks Stephenson, por Rob McCallum, da EYOS Expeditions e por uma equipe da empresa Triton Submarines.

Vescovo, CEO da empresa de tecnologia submarina Caladan Oceanic e piloto do submarino, disse que ele não estava preparado para ver o tamanho do naufrágio “Foi extraordinário observá-lo”, afirmou.

A produtora Atlantic Productions, em Londres, Inglaterra, está preparando um documentário com as imagens capturadas na expedição.

 

Comentários