Justiça proíbe matar cachorros para consumo na Coreia do Sul

Carne canina é parte da tradição culinária do país, onde quase um milhão de cães são consumidos por ano

Por AFP

Ativistas sul-coreanos de direitos dos animais usam máscaras de cachorro ao se manifestar em apoio à decisão judicial de que matar cães para consumo é ilegal
Ativistas sul-coreanos de direitos dos animais usam máscaras de cachorro ao se manifestar em apoio à decisão judicial de que matar cães para consumo é ilegal -

Seul - Um tribunal da Coreia do Sul decidiu que matar cachorros para obter a carne é ilegal. Os defensores dos animais acreditam que a decisão pode significar um primeiro passo para a proibição do consumo.

A carne canina é parte da tradição culinária da Coreia do Sul, onde quase um milhão de cães são consumidos por ano, de acordo com estimativas.

A tradição, no entanto, está em queda. Um número cada vez maior de sul-coreanos considera o cachorro um amigo do homem e não um animal de fazenda destinado à mesa.

A prática é um tabu para os mais jovens, mas o tema ocupa uma zona cinzenta em nível jurídico ante a ausência de uma proibição específica.

Antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang, em fevereiro, as autoridades alegaram regras sanitárias e leis de proteção aos animais que proíbem métodos cruéis para sacrificar animais em granjas e restaurantes.

A associação de defesa dos animais Care denunciou uma unidade da cidade Bucheon acusada de violar a regulamentação sanitária, as normas de construção e matar animais sem motivo.

O tribunal declarou a culpa granja e o pagamento de multa de três milhões de wons (2.650 dólares).

Kim Kyung-eun, advogado da Care, celebrou a decisão de abril que foi divulgada esta semana.

"É muito importante porque é a primeira decisão da justiça que estipula que matar cães por sua carne é ilegal por si só".

"A decisão abre o caminho para que o consumo de carne canina seja declarado completamente ilegal", completou.

A diretora da Care Park So-youn disse que pretende fazer um censo para apresentar ações similares no país.

Um deputado apresentou esta semana um projeto de lei na Assembleia Nacional que proíbe de fato o consumo da carne de cachorro.

Alguns sul-coreanos, no entanto, criticam a iniciativa e citam o peso cultural. A carne canina é considerada energética pelos defensores do consumo.

Uma pesquisa de 2017 mostrou que 70% dos sul-coreanos não comem carne de cachorro, mas apenas 40% são favoráveis à proibição do consumo.

Os números refletem as divisões em outras sociedades asiáticas. Na China começa nesta quinta-feira o festival anual de carne canina de Yulin, alvo de críticas ocidentais.

Taiwan proibiu no ano passado o consumo de carne de cão.

A decisão de Bucheon irritou os criadores.

"É um escândalo. Não podemos aceitar uma decisão que afirma que matar cães por sua carne é igual a matar animais por capricho", declarou Cho Hwan-ro, representante de uma associação de criadores que deseja a legalização do consumo e a autorização de matadouros específicos. 

Últimas de Mundo & Ciência