Matéria Salva!

Agora você pode ler esta notícia off-line

Matéria removida da seção links salvos

Dezenas de manifestantes são mortos em protestos contra alta nos combustíveis no Casaquistão

País está enfrentando os piores protestos de rua que o país já viu desde que se tornou independente

Casaquistão foi abalado pela intensificação dos protestos que começaram no domingo por causa de um forte aumento nos preços de combustíveisAFP

Dezenas de manifestantes foram mortos durante violentos protestos no Casaquistão e pelo menos 12 policiais morreram, incluindo um que foi decapitado, disseram autoridades locais nesta quinta-feira (6). Os participantes das demonstrações tentaram invadir edifícios durante a noite na maior cidade do país, Almaty, e "dezenas de agressores foram liquidados", disse a porta-voz da polícia Saltanat Azirbek, ao canal de notícias estatal Khabar-24.
As tentativas relatadas de invadir os prédios ocorreram após uma agitação generalizada na cidade na quarta-feira, incluindo a apreensão do prédio do prefeito, que foi incendiado. O Casaquistão está enfrentando os piores protestos de rua que o país já viu desde que se tornou independente, três décadas atrás
Uma aliança militar liderada pela Rússia, a Organização do Tratado de Segurança Coletiva, informou hoje que enviará tropas de manutenção da paz ao Casaquistão a pedido do presidente Kassym-Jomart Tokayev.
O Casaquistão foi abalado pela intensificação dos protestos que começaram no domingo por causa de um forte aumento nos preços de combustíveis, em meio à escalada dos preços de petróleo. Os protestos começaram no oeste do país, mas se espalharam por Almaty e a capital Nur-Sultan.
Segundo o Commerzbank, o país produz cerca de 1,6 milhão de barris de petróleo por dia (bpd). Os atos ameaçam interromper a produção, o que ajuda a sustentar as cotações da commodities nesta manhã. Fonte: Associated Press.
Você pode gostar
Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor.

mais notícias
Dezenas de manifestantes são mortos em protestos contra alta nos combustíveis no Casaquistão | Mundo e Ciência | O Dia
Matéria Salva!

Agora você pode ler esta notícia off-line

Matéria removida da seção links salvos

Dezenas de manifestantes são mortos em protestos contra alta nos combustíveis no Casaquistão

País está enfrentando os piores protestos de rua que o país já viu desde que se tornou independente

Casaquistão foi abalado pela intensificação dos protestos que começaram no domingo por causa de um forte aumento nos preços de combustíveisAFP

Dezenas de manifestantes foram mortos durante violentos protestos no Casaquistão e pelo menos 12 policiais morreram, incluindo um que foi decapitado, disseram autoridades locais nesta quinta-feira (6). Os participantes das demonstrações tentaram invadir edifícios durante a noite na maior cidade do país, Almaty, e "dezenas de agressores foram liquidados", disse a porta-voz da polícia Saltanat Azirbek, ao canal de notícias estatal Khabar-24.
As tentativas relatadas de invadir os prédios ocorreram após uma agitação generalizada na cidade na quarta-feira, incluindo a apreensão do prédio do prefeito, que foi incendiado. O Casaquistão está enfrentando os piores protestos de rua que o país já viu desde que se tornou independente, três décadas atrás
Uma aliança militar liderada pela Rússia, a Organização do Tratado de Segurança Coletiva, informou hoje que enviará tropas de manutenção da paz ao Casaquistão a pedido do presidente Kassym-Jomart Tokayev.
O Casaquistão foi abalado pela intensificação dos protestos que começaram no domingo por causa de um forte aumento nos preços de combustíveis, em meio à escalada dos preços de petróleo. Os protestos começaram no oeste do país, mas se espalharam por Almaty e a capital Nur-Sultan.
Segundo o Commerzbank, o país produz cerca de 1,6 milhão de barris de petróleo por dia (bpd). Os atos ameaçam interromper a produção, o que ajuda a sustentar as cotações da commodities nesta manhã. Fonte: Associated Press.
Você pode gostar
Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor.

mais notícias