Cuide bem do seu joelho

Fique atento! Ato de subir e descer escadas e até o tipo de calçado podem resultar em dores nas articulações

Por Gabriel Thomaz *

Personal Leonardo ressalta tratamento
Personal Leonardo ressalta tratamento -

Rio - Para quem pratica constantemente exercícios físicos, conviver com dores no joelho pode soar como algo normal. Especialistas, no entanto, alertam que não são apenas os atletas que sofrem desse mal. Pequenos detalhes do dia a dia como subir e descer escadas com frequência, tipos de calçado ou até mesmo andar sobre terrenos irregulares podem ser inimigos das articulações. Em caso de dores na região, o repouso e a consulta com um médico ortopedista o mais rápido possível são fundamentais para o não agravamento de possíveis lesões.

A escolha do calçado é um dos fatores mais relevantes para não prejudicar as articulações do joelho. De acordo com o coordenador de ortopedia do Hospital Copa D'or, Daniel Ramallo, sapatos que alteram a pisada devem ser guardados para ocasiões especiais. "Os saltos, por exemplo, modificam a maneira como a pessoa pisa com a alteração do centro de gravidade e distribuição de carga na articulação. Além disso, um tênis com pouco amortecimento pode causar problemas a longo prazo, e é essencial para quem inevitavelmente tem que subir e descer escadas com certa frequência", explicou o médico.

A prática de exercícios físicos sem o acompanhamento de um profissional também está no topo da lista de atividades que podem trazer prejuízos às articulações. Treinamentos com peso excessivo ou movimentos que não respeitam a postura e amplitude correta sobrecarregam a articulação e podem deixar como saldo lesões no joelho e até na coluna.

"Oriento meus pacientes a não permanecerem por longos períodos na posição em agachamento, já que isso aumenta a pressão intra-auricular do joelho e pode causar lesões de estruturas nobres dessa articulação. Outro ponto que sabidamente diminui o número de lesões é a redução do peso corporal especialmente para atividades com impacto, como corridas, e o fortalecimento muscular sob orientação do profissional de educação física", alertou o ortopedista do Vasco da Gama, Maderson Mader.

Processo de recuperação

Contusões no joelho corrigidas com procedimento cirúrgico normalmente demandam um longo processo de recuperação. Além da fisioterapia, os exercícios de reforço muscular com o paciente são essenciais. É o caso funcionário público João Fernandes, de 55 anos, que mesmo após passar por uma artroscopia (pequena incisão) no joelho direito conseguiu correr 21 quilômetros de uma meia maratona.

"Sempre gostei muito de correr, é o que me distrai. Em determinado momento, eu estava sentindo muita dor em um dos joelhos, não conseguia subir um degrau sem ter que fazer esforço. Passei por uma artroscopia, e depois tive que enfrentar um longo processo de recuperação, mas felizmente consegui voltar a fazer o que mais gosto, que é correr", lembrou João. "Participar da meia maratona foi uma exceção, não posso mais correr grandes distâncias, mas foi um momento simbólico e muito feliz na minha vida", refletiu.

Durante a reabilitação, o trabalho psicológico também é fundamental para que o paciente consiga voltar a fazer os movimentos naturais com o joelho. Para o personal trainer Leonardo Gaspar, nessa fase da recuperação, a confiança é essencial. "Quando a pessoa já iniciou o trabalho de reabilitação e não sente mais dor, nem tudo está resolvido. A estrutura lesionada guarda uma memória do trauma, e é sempre importante que a pessoa em recuperação tenha segurança nos exercícios que o profissional de Educação Física indicar", explicou Gaspar.

(* Estagiário sob a supervisão da jornalista Angélica Fernandes)

Galeria de Fotos

Personal Leonardo ressalta tratamento DIVULGAÇÃO

Comentários