Pajé revela em livro o poder de cura das plantas

Conhecimentos, que eram anotados à mão por curandeiro indígena do Acre, foram organizados em 260 páginas, para serem passados ao grande público

Por karilayn.areias

Rio - Por 20 anos de sua vida, Agostinho Manduca Mateus Ïka Muru, pajé da etnia Huni Kuin, no Acre, percorreu diversas tribos e levantou todo o conhecimento acerca de plantas medicinais, seus usos e tratamentos. Anotou tudo em cadernos: queria deixar registrado, por escrito, paras futuras gerações, uma tradição até então oral. O que ele não imaginava é que esta sabedoria também seria passada ao grande público. Lançado ontem, ‘Una Isi Kayawa - Livro da Cura’ foi organizado pelo próprio pajé e pelo pesquisador do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico Alexandre Quinet.

O pajé Agostinho Manduca Mateus Ïka Muru%2C da etnia Huni Kuin%2C morreu pouco tempo após coletar os dados Camilla Coutinho

A edição apresenta plantas com poder de cura, estabelecendo um diálogo entre a classificação botânica e o conhecimento espiritual do povo Huni Kuin. “São quatro capítulos que contam histórias e tradições desta etnia. Em princípio, a distribuição do livro seria apenas entre os índios. Após reunião entre eles, ficou definido que também poderia ser apresentado ao grande público. Por isso, é escrito em português e hatxa kuin, a língua deles”, explica Quinet.

A publicação teve uma primeira tiragem de mil exemplares, produzida em papel plástico de garrafas PET, para sobreviver à umidade da floresta. Em maio, 400 exemplares foram distribuídos entre pajés e aprendizes do Rio Jordão, em uma grande festa, e também para líderes e pajés das 32 aldeias da região ao longo do rio. Através de uma votação entre os Huni Kuin, foi decidido que o livro poderia ser distribuído também fora da aldeia indígena.

Quinet conta ainda que, quando Agostinho lhe mostrou seu caderno de anotações, não estava tudo pronto. “Viajamos, fizemos mais pesquisas e até uma oficina com 22 pajés, dos mais velhos aos mais novos. E foi desta oficina que nasceu a base dos textos, em novembro de 2011”, lembra. O pajé Agostinho morreu pouco tempo depois, aos 67 anos. “Mas ele sabia que seu desejo ia se tornar realidade. É um projeto grande, para as futuras gerações, as suas e as nossas”, pontua Quinet. ‘Una Isi Kayawa - Livro da Cura’, da Dantas Editora, custa R$ 120 e tem 260 páginas.

Atividades gratuitas e com índios

Programação especial de lançamento do livro começou ontem e vai até o dia 27, no Parque Lage. No local, foi construída a Kupixawa ou ‘A Casa Grande dos Encontros’ — oca de 10 m de altura por 12 m de diâmetro, baseada na arquitetura do povo Huni Kuin. Todas as atividades de lançamento serão gratuitas e incluem exposições de fotografias de Camilla Coutinho Silva, debates, mostra de filmes indígenas, contação de histórias pelos próprios pajés, passeios nos jardins, oficinas de tecelagem e pintura corporal para crianças.

Uma das plantas listadas no livro é a guiné, facilmente encontrada nos Estados do Acre, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Segundo os índios, ela pode ser usada para dores de barriga, cabeça ou de ouvidos, e ainda para banhar pacientes febris. Ainda segundo a cultura indígena, banhos com folhas cozidas fazem as crianças crescerem fortes, vigorosas e com saúde. O macerado é indicado para pneumonias e bronquites. Em doses elevadas e contínuas, a planta é venenosa.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia