A lição da Copa de 1966

Em momentos de perplexidade, é sempre importante olhar para lições deixadas por experiências semelhantes

Por bruno.dutra

Por mais que o número de gols sofridos tenha sido acachapante, não foi a primeira vez que a seleção brasileira cometeu um fiasco em Copa do Mundo. No calor dos 7 a 1, muito se falou sobre a derrota para o Uruguai na final de 1950, o Maracanazo. Mas quem vem de longe lembrou-se de outro exemplo: o da Copa de 1966.

Fomos para a Inglaterra – Pelé e Garrincha juntos – com a missão histórica de trazer o caneco definitivamente para casa, num tricampeonato mundial seguido e inédito. O time mesclava bicampeões de 58 e 62 com jovens promessas. Mas nada deu certo. Ganhamos o primeiro jogo contra a Bulgária e perdemos para Hungria e Portugal. Saímos de Londres após a primeira fase, na pior classificação de todos os tempos. Revoltado, o irreverente João Saldanha esbravejava na Rádio Nacional: “A vaca foi para o brejo!”.

Saldanha e outros comentaristas da época responsabilizaram a antiga Confederação Brasileira de Desportos (CBD) e a comissão técnica comandada por Vicente Feola (o mesmo técnico de 1958). Um dos equívocos teria sido a indefinição do elenco. Feola convocou de início mais de 40 jogadores, que dividiu em quatro times. A escolha dos 22 foi feita em cima da hora, na véspera do embarque, e, sem entrosamento, a equipe principal foi presa fácil para húngaros e portugueses, que nos venceram por 3 a 1. A indecisão e a falta de objetividade foram tão grandes que, nos três jogos, 20 dos 22 jogadores entraram em campo. E olha que na época não eram permitidas substituições durante as partidas.

No desastre do Mineirão, Felipão também ficou perdido ao escalar seu time. Fez pouco do favoritismo dos alemães e pôs em campo um seleção vulnerável que se mostrou insegura assim que levou o primeiro gol após um erro infantil. Já os alemães logo perceberam que o Brasil, sem Neymar e Thiago Silva, estava desorganizado e partiram para cima de forma fria e impiedosa. Para azar de quem passou dos 60 anos, a decepção de 1966 se repetiu agora em 2014. Mas vale lembrar que a lição da Inglaterra deu bons frutos.

Escolhido para técnico nas eliminatórias para a Copa de 70, João Saldanha, logo na primeira entrevista, apresentou a lista de 11 titulares e 11 reservas. Entre suas “feras”, estavam Pelé e mais cinco sobreviventes do vexame de 66: Edu, Brito, Gerson, Tostão e Jairzinho. Os amantes do futebol sabem da importância de todos eles para o tricampeonato no México.

Agora, não será diferente. Não há espaço para a arrogância de Felipão e Parreira diante do fracasso. É ridículo afirmarem que o resultado não foi de todo ruim, já que chegamos à semifinal. Mesmo que se conquiste o terceiro lugar no sábado, o resultado é amargo. O Brasil sofreu a pior goleada de sua história, com uma exibição patética.

A torcida exige mudanças no comando da seleção e renovação das pessoas que administram o futebol. Se demos a volta por cima em 1970, também seremos capazes de mostrar um grupo vencedor na Copa da Rússia, em 2018. Mais maduros, jogadores da qualidade de Neymar, Oscar, David Luiz e Thiago Silva certamente serão aproveitados já nas eliminatórias. Vamos precisar de nomes que honrem a tradição do futebol pentacampeão do mundo. De resto, como dizia Saldanha, é vida que segue.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia