Nível do Cantareira atinge 8,2% da capacidade

Captação de água da reserva técnica começa nesta quinta-feira

Por marta.valim

O nível do Sistema Cantareira caiu de 8,4% na quarta-feira para 8,2% nesta quinta-feira, de acordo com medição diária da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

O sistema de bombas que dará início à captação de água da reserva técnica do Sistema Cantareira passa a ser acionado a partir de hoje, com a conlusão das obras iniciadas no dia 17 de março. 

Com o início da operação dos equipamentos, na represa Jaguari/Jacareí, as águas que estão abaixo do ponto de captação serão bombeadas para a estação de tratamento Guaraú, para atender à demanda da população da região metropolitana de São Paulo.

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), a água do reservatório deve durar, pelo menos, até novembro, já contabilizando a utilização do volume e a reserva técnica, que não tem previsão de uso, de 50 bilhões de litros.

Na sexta-feira, o Grupo Técnico de Assessoramento para gestão do Sistema Cantareira (Gtag – Cantareira), formado por representantes da agência reguladora e do departamento, vai se reunir para avaliar a vazão afluente (volume de água que entra no reservatório) e o que está sendo demandado pelos usuários. A avaliação técnica resulta em sugestões para os gestores que adotam medidas para mitigar a falta de recursos hídricos.

As últimas análises e simulações da ANA apontam que a água que está entrando no Cantareira corresponde a 60% da vazão afluente mínima histórica. Se esse padrão for mantido, em setembro, por exemplo, devem entrar 6 metros cúbicos por segundo (m³/s). Por outro lado, caso a estimativa de consumo para setembro permaneça em 28 m³/s, será preciso realocar as prioridades no abastecimento entre as duas regiões atendidas pelo Cantareira. Além disso, será necessário liberar a água em função do que entra no sistema.

As duas regiões atendidas pelo Cantareira são o Consórcio das Bacias do PCJ, que inclui os rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, e a região metropolitana de São Paulo.

Para usar a água no volume morto, que são reservas abaixo do nível das comportas, está sendo necessário construir dois canais de 3,5 quilômetros e instalar 17 bombas, que envolvem um investimento de R$ 80 milhões. Segundo a Sabesp, o total de água abaixo do nível das comportas chega a 300 bilhões de litros, mas serão disponibilizados, neste momento, 200 bilhões. Esse volume é suficiente para abastecer os moradores da região metropolitana por quatro meses.

O Sistema Cantareira é o maior do estado e abastece cerca de 9 milhões de pessoas na região metropolitana de São Paulo. A situação do reservatório é a pior desde que ele foi criado na década de 1970.

* Com Agência Brasil

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia