Argentina ajuda o setor elétrico do país após dificuldades no fornecimento

Depois de apagão, país importou quase 1 mil MW do país vizinho durante pico de consumo da última terça-feira

Por bruno.dutra

Um dia após o corte seletivo de energia durante o horário de pico de consumo, o Brasil apelou a importações da Argentina para garantir o abastecimento. Segundo relatório do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o país vizinho contribuiu com 998 megawatts (MW) às 14h48 do dia 20, quando a demanda atingiu o pico de 83.830 MW. Ontem, a Santo Antônio Energia informou que propôs ao governo o aumento da capacidade de geração da usina de Santo Antônio em até 150 MW, para contribuir com a segurança do abastecimento.

De acordo com o ONS, as importações da Argentina se deram em dois períodos durante o dia 20: entre 10h23 e 12h e entre 13h e 17h20, com o objetivo de “contribuir no atendimento à ponta do SIN (Sistema Interligado Nacional)”. Os volumes variaram entre 500 MW e 1.000 MW, diz o Informativo Preliminar Diário da Operação (IPDO). Para especialistas, a falta de capacidade de geração para atender à demanda de pico provocada pelo calor está na raiz dos problemas da última segunda-feira, que atingiram 10 estados e o Distrito Federal.

As importações foram feitas pela estação conversora Garabi II, no Rio Grande do Sul. Segundo o acordo bilateral entre Brasil e Argentina, não há pagamento em dinheiro pela compra de energia — os volumes são contabilizados em uma espécie de conta, para acerto com a devolução em energia. No dia 31 de dezembro de 2014, segundo o ONS, o Brasil tinha uma dívida de 9.185,81 megawatts-hora.

Além de importar energia da Argentina, o ONS aumentou a transferência de eletricidade da Região Sul para as Regiões Sudeste e Centro-Oeste, que enfrentam uma das piores crises hídricas da história. Durante o dia, foram transferidos 2.513 MW médios, com o objetivo, segundo o Operador, de compensar restrições nas interligações com a Região Norte — apontadas pelo governo como a principal causa da redução de frequência que levou ao apagão.

Pelo mesmo motivo, a geração da usina de Itaipu também foi superior ao programado, atingindo 9.678 MW médios. Na terça-feira, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, havia antecipado que o ONS adotaria medidas para aumentar a segurança no suprimento durante o horário de pico.

Segundo o ONS, o nível dos reservatórios das Regiões Sudeste e Centro-Oeste permanece em queda e fechou a terça-feira com 17,6% de sua capacidade de armazenamento. No mês, a redução da capacidade é de 1,8%. Na terça-feira, também houve queda dos níveis dos reservatórios do Sul e do Nordeste, que chegaram a 67,8% e 17,3%, respectivamente.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia