Mais Lidas

Caminhos para tirar um presidente são demorados

Ação contra Michel Temer só com aval da Câmara. Uma decisão do TSE teria que ser confirmada pelo Supremo

Por thiago.antunes

Brasília - A abertura de inquérito autorizada pelo Supremo Tribunal Federal para investigar o presidente Michel Temer está longe de resultar na queda do comandante do Palácio do Planalto. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se concluir que Temer é culpado pelo crime de obstrução da Justiça ou por integrar organização criminosa — qualquer uma das penas varia de três a oito anos de reclusão — terá que submeter primeiro a ação penal à Câmara dos Deputados.

Os parlamentares vão avaliar se o caso tem elementos ou não para a formalização da denúncia. Se houver, a ação só será enviada para a análise do Supremo com o voto favorável de no mínimo 342 deputados. “Com o STF aceitando a denúncia do procurador-geral, o presidente será afastado sem prazo determinado”, explicou o advogado criminalista Thiago Bottino, professor da FGV Rio.

Aprovação para abertura de processo contra o Presidente da República deverá vir da Câmara dos DeputadosMarcelo Camargo / ABR

Isso porque trata-se de crime comum, aquele que qualquer um pode cometer. Ontem, o Supremo autorizou que o presidente tivesse acesso à delação de um dos donos do grupo JBS, Joesley Batista. Ele gravou Temer dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Outra porta jurídica que resultaria na retirada do presidente do cargo é se o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassar a chapa Dilma-Temer por abuso de poder econômico na última eleição. Dessa decisão caberá recurso no Supremo. “Nesse caso, a tendência no STF é de confirmar a decisão eleitoral. Então, o presidente da Câmara dos Deputados assumiria e convocaria eleição em 30 dias”, explicou o presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Roberto Carvalho Veloso.

Segundo a Constituição Federal, os candidatos têm que ter no mínimo 35 anos e ser filiados a partido para concorrer na eleição que será feita pelo Congresso Nacional. “O ex-presidente Lula poderia participar, por exemplo. Só os considerados inelegíveis não estão aptos”, pontuou Veloso. 

Emenda prevê voto direto para presidente

O clamor das ruas é o maior combustível para a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC), do deputado federal Miro Teixeira (Rede-RJ), que prevê eleições diretas, caso o presidente Michel Temer seja cassado ou renuncie. Essa é a avaliação de Geraldo Tadeu, cientista político da Uerj. Teixeira acredita que a PEC entrará em pauta da Câmara dos Deputados terça-feira. E mais: teria fôlego para ser aprovado em até três semanas, tramitando entre a Câmara e o Senado.

“Nesse momento é difícil cravar alguma coisa. Mas as eleições diretas são a solução mais rápida para a crise”, opinou Geraldo Tadeu. Miro Teixeira afirmou que a PEC vai para a Comissão de Constituição e Justiça na Câmara dos Deputados e pode ser aprovada na terça-feira mesmo.

A partir daí, é criada a Comissão Especial, em regra com 30 membros. Haveria dez sessões para a apresentação de emendas. Depois, votação duas vezes no plenário. Para passar são necessários 308 votos.

“A seguir, vai para o Senado Federal e é enviada à Comissão de Constituição e Justiça. Aprovada, o plenário tem que votar duas vezes e precisaríamos de, no mínimo, 49 votos em cada votação”, disse Miro.

Há ainda há a possibilidade de impeachment de Michel Temer, mas para Geraldo Tadeu essa opção é a mais remota, apesar dos pedidos protocolados. “Demoraria muito esse processo. O pronunciamento de Temer foi previsível. Todo mundo que é investigado pela Lava Jato diz que vai provar inocência. O presidente está preocupado com o dia a dia da crise. A voz das ruas é fundamental para a aprovação das eleições diretas”, avaliou Geraldo Tadeu.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia