Jurista quer teste de saúde mental para Bolsonaro por quebrar isolamento do coronavírus

Miguel Reale Júnior defendeu que o Ministério Público peça que o presidente seja submetido a uma junta médica

Por O Dia

Orientado a ficar em isolamento, Bolsonaro cumprimenta apoiadores em Brasília
Orientado a ficar em isolamento, Bolsonaro cumprimenta apoiadores em Brasília -

A quebra de isolamento para participar de manifestação em prol do seu governo e conta o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF) no último domingo pode render dor de cabeça ao presidente Jair Bolsonaro. Um dos autores do pedido de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff, o jurista Miguel Reale Júnior defendeu que o Ministério Público peça que o presidente seja submetido a uma junta médica para saber se ele teria sanidade mental para o exercício do cargo.

Ex-ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso, Reale Júnior disse ao jornal O Estado de S. Paulo que o presidente deve ser considerado "inimputável" por ter participado de uma manifestação no domingo, 15, contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) em Brasília em plena pandemia de coronavírus.

"Seria o caso de submetê-lo a uma junta médica para saber onde o está o juízo dele. O Ministério Publico pode requerer um exame de sanidade mental para o exercício da profissão. Bolsonaro também está sujeito a medidas administrativas e eventualmente criminais. Assumir o risco de expor pessoas a contágio é crime", afirmou o jurista.

 

Comentários