No RJ, Pezão azeda relação com PT e Paes se aproxima mais de Lula

Atitude de governador fluminense de negar duas secretarias a petistas foi tomada à revelia da direção regional de seu partido

Por monica.lima

O convite do prefeito do Rio, Edudardo Paes (PMDB), ao deputado federal Fabiano Horta (PT) para integrar o seu governo, na Secretaria de Desenvolvimento Econômico Solidário, funcionou como um tiro no pé do governador do Estado, Luiz Fernando Pezão (PMDB). O pedido havia sido feito a Paes pelo ex-presidente Lula, a fim de que o suplente Wadih Damous pudesse assumir uma cadeira na Câmara dos Deputados. A avaliação do PT é que o partido não tem um nome para brigar contra a atuação do juiz Sérgio Moro e do Ministério Público Federal na Operação Lava Jato, como noticiou a coluna “Informe do Dia”, do jornal O Dia. Wadih, que é membro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), cumprirá esse papel.

O presidente regional do PT e prefeito de Maricá, Washington Quaquá, estava em conversas avançadas com o deputado estadual Jorge Picciani, que comanda o PMDB-RJ, para que as deputadas petistas Benedita da Silva (federal) e Rosângela Zeidan (estadual, mulher de Quaquá) fossem para as secretarias de Estado de Cultura e Assistência Social. Pezão, então, veio a público anunciar que o PT não voltaria a seu governo — o que foi visto por aliados de Picciani no PMDB como uma atitude presunçosa.

O problema não é decorrente da falta de diálogo entre PMDB e PT, que deixou o governo Pezão no ano passado para lançar Lindbergh Farias (PT) ao governo do Estado. Embora publicamente o discurso seja de gratidão eterna, Pezão tem reclamado em seu círculo mais íntimo, de Piraí, que seu antecessor, Sergio Cabral, “raspou o tacho” dos cofres estaduais. Segundo diz a amigos, a situação do Rio poderia estar melhor, apesar da difícil conjuntura econômica. Falta dinheiro para pagar até as contas de telefone, o que fez com que a Oi, que acusa o Estado de dever R$ 170 milhões, cortasse os telefones do Palácio Guanabara.

Outro incômodo de Pezão é com a interferência política de Cabral, via Jorge Picciani, em seu governo. O acordo que daria as secretarias ao PT desagradou o governador, que não foi consultado previamente sobre as conversas entre Quaquá e Picciani e vetou a iniciativa. Ainda de acordo com interlocutores, neste momento a desculpa de Pezão aos petistas foi que, em seu governo, quer somente os partidos que estiveram ao seu lado durante a campanha eleitoral. Entretanto, afirmam essas fontes, a negativa serviu para enviar um recado a Sergio Cabral de que o governo está sob novo comando. No PT fluminense, o comentário é de que “não tem mais clima” para a reaproximação.

“Diante da resposta de Pezão a Quaquá, Paes acenou para Lula, resolveu o problema e ganhou pontos. A conversa, agora, é toda com ele e com Picciani, e visa à eleição para prefeito, de modo que o PT apoie o candidato de Paes, o deputado federal Pedro Paulo (PMDB)”, disse uma fonte, acrescentando que o PT não irá pressionar na investigação do Superior Tribunal de Justiça sobre a suposta participação de Pezão no esquema de corrupção da Petrobras.

Também pesou contra a reivindicação de Quaquá o bloqueio dos bens e a quebra do sigilo bancário e fiscal de Benedita da Silva pela Justiça, no início do mês. A parlamentar responde por crimes de improbidade administrativa da época em que foi secretária estadual de Assistência Social.

Outro ponto sensível na gestão Pezão é a personalidade do governador. Segundo apuração do Dia e do Brasil Econômico, Pezão tem dificuldade para confiar em todos os secretários — principalmente os que não são de sua cota pessoal — e gosta de tomar a decisão final sobre as políticas a serem implementadas, muitas vezes, contrariando a vontade de seus subordinados. Para interlocutores do PMDB, este perfil tem feito com que o governo fique nas cordas, numa sequência de notícias ruins — demissões, violência, corte de verbas. Para eles, os secretários deveriam aparecer mais para defender as políticas que implementam. Mas, sem autonomia, poucos o fazem, restringindo ao próprio governo a missão de aparecer para responder.

Maior beneficiário desses desdobramentos, Eduardo Paes, além de vir ganhando projeção nacional pela reivindicação em favor dos municípios frente à União, pavimenta seu caminho como um nome possível para as eleições de 2018, tendo Lula como cabo eleitoral.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia