Um dia de Mané Garrincha

A imagem é forte, impressiona até hoje e deu a Alberto Ferreira, do JB, o Prêmio Esso de Fotografia

Por bruno.dutra

No meio do gramado, sozinho, aparece Pelé com a mão na coxa durante o jogo Brasil x Tchecoslováquia, em 1962, no Chile. Era o fim da Copa para o maior jogador de futebol de todos os tempos. E a torcida viveu dias de angústia: o que seria da seleção sem o Rei? O técnico Aymoré Moreira pensou rápido e escalou Amarildo, que cumpriu bem a missão e foi apelidado de “Possesso” por Nelson Rodrigues. Mas havia no time outras estrelas como Nilton Santos, Didi e o endiabrado Garrincha. Com suas pernas tortas, Mané fez milagres. Sua atuação no 3 a 1 contra a Inglaterra entrou para história e ajudou o Brasil a se tornar bicampeão do mundo.

Neymar é craque, mas não tem a dimensão de Pelé. E não se veja nenhum demérito nisso. Pelé é incomparável. Aos 17 anos já era campeão mundial, é o único jogador a ter conquistado três Copas e também foi bicampeão mundial de clubes (pobre do Maradona!). Mas o garoto do Barcelona também é cria do Santos, tem momentos de gênio e vai fazer falta na semifinal de hoje contra a Alemanha.

Com ousadia e movimentos rápidos, Neymar foi decisivo na vitória sobre a Croácia e também desequilibrou no jogo com Camarões. Marcou quatro gols e, na velha expressão do futebol, carregou o time nas costas. Se não teve o mesmo desempenho contra o Chile e a Colômbia, sua presença foi sempre ameaçadora e obrigou os adversários a reforçar a marcação. Neymar se impôs e ganhou merecido destaque.

Sem Neymar, Felipão ficou tão atônito quanto os torcedores. Visivelmente emocionado, não deu a resposta ágil de Aymoré. O que fazer? Uma saída seria completar o time com Willian, companheiro de Oscar e David Luiz no Chelsea. Dizem que ele também é atrevido e não respeita seus marcadores. Outra opção é reforçar o meio de campo com Luiz Gustavo e dar mais liberdade a Oscar para ir ao ataque com Hulk e Fred. Essa é a alternativa preferida por muitos jornalistas esportivos. Dizem eles que, com Oscar à frente, a seleção ganhará mais mobilidade. E terá condições de vencer a forte Alemanha.

Nos famosos bookmakers de Londres, as cotações apontam chances iguais para Brasil e Alemanha. O retorno é o mesmo, cerca de 2,5 libras por uma libra apostada. Já a Argentina é favorita contra a Holanda. Sua vitória paga duas libras por uma, contra quatro por um para os holandeses. Isso não quer dizer muita coisa. Nem sempre os favoritos ganham e apostadores costumam jogar dinheiro fora. O franzino Oscar está prometendo. Fez uma bela partida contra a Croácia, com direito a um gol de bico. E também havia feito um partidaço na final da Copa das Confederações, no ano passado. Hoje, Oscar pode ter seu dia de Mané Garrincha.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia