Heineken pode perder fábrica na Bahia após investimento bilionário

O script envolve denúncia de irregularidades ambientais e fiscais, e até vista grossa da Advocacia Geral da União no processo que segue no STJ contra a cervejeira holandesa

Por Leandro Mazzini

Brasília - A Heineken corre sério risco de perder sua principal unidade fabril, em Alagoinhas (BA), após investir quase R$ 3 bilhões no País para comprar as plantas da Brasil Kirin (que adquirira da Schincariol). O script envolve denúncia de irregularidades ambientais e fiscais, e até vista grossa da Advocacia Geral da União no processo que segue no STJ.

Como a Coluna antecipou, um imbróglio judicial, com decisão de lacrar o poço e o devolver ao dono de fato, deixou a cervejeira holandesa de copos virados. Um suspeito vaivém de pareceres na AGU por ora deu gás no chope (agora azedo) da holandesa. Consultadas, a AGU e a Agência Nacional de Mineração batem cabeça.

Festival de CPI

O caso deu repercussão que se discute uma CPI na Câmara Federal – onde uma executiva da Heineken circula para tentar segurar – e duas CPIs na Assembleia da Bahia.

Haja copo

Na Assembleia da Bahia, três comissões querem convocar executivos da cervejeira: Finanças, Orçamento e Controle; Relação de Trabalho; e Comissão de Meio Ambiente.

No cardápio

Estão na mira das CPIs o presidente no Brasil, Didier Debrosse, o CEO mundial, Jean François, e a vice-presidente Nelcina Topardi – é ela quem circula por Brasília.

Água pra garotada

A coisa é tão feia nas contas do Governo de Minas Gerais que a companhia de águas de Muriaé, cidade-pólo da Zona da Mata, cortou nestas férias o fornecimento de água de dezenas de escolas estaduais. As contas não são pagas há um ano e chegaram a R$ 495 mil. À Coluna, o Governo informou que acaba de regularizar o débito.

Do QG

O novo vice de Jair Bolsonaro é o general da reserva do Exército Augusto Heleno Ribeiro, pelo PRP. Se nada mudar até a convenção de domingo.

Seguro de si

Entrou água (e fervente) nas tratativas de Jair Bolsonaro (PSL) com o PR. O presidenciável só aceita Magno Malta (ES) de vice, mas o senador quer disputar a reeleição. Jair está convicto de que passa para o segundo turno mesmo sem alianças. Mas agora tem o PRP.

Painho

O ex-senador José Sarney vai morar em São Luís até 2019. Por motivos pessoais: será o consultor-mor das campanhas dos filhos Roseana – ao governo do Estado – e Zequinha – ao Senado – e vai acompanhar a recuperação de dona Marly, que voltou dos EUA após cirurgia num joelho: "Tão cedo eu não estarei em Brasília", disse a amiga.

Lula in Concert

Chico Buarque, Martinho da Vila, Francis Hime, Gregorio Duvivier, Lucélia Santos e outros artistas petistas fazem show na Lapa do Rio dia 28 no Festival Lula Livre.

Conexão Cela

Dilma Rousseff e Gleisi Hoffmann vão subir ao palco para ler carta do ex-presidente, detento condenado por corrupção. Mas Lula também pode gravar um vídeo.

Tapa de luva

Outro cenário no Nordeste contribui para o constrangimento da verborragia de Ciro Gomes, ao chamar o então PMDB em 2010 de 'ajuntamento de assaltantes'. É o mesmo partido que agora o ajuda em Alagoas e no Rio Grande do Norte, e terá mais.

Palanque reforçado

Em Natal, o senador Garibaldi Alves, do MDB, lançou sua candidatura à reeleição e anunciou seu apoio ao candidato do PDT - partido de Ciro - para o Governo. É Carlos Eduardo Alves, primo de Garibaldi, favorito nas pesquisas.

Lupa social

Candidato do Psol ao Senado em Brasília, Chico Santana propõe a recriação da Comissão do DF na Casa Alta 'para acompanhar a aplicação das verbas federais'. Como notório, o DF é o único 'Estado' onde a União paga os custos da Segurança, Saúde e Educação. Sobram milhões em caixa para investir, e nem sempre é o que se vê nas ruas.

Lual

Domingo, Eduardo Suplicy apareceu e cantou “Blowin in the Wind” no acampamento do PT em frente à PF em Curitiba. Para desespero de quem queria dormir.