Secretarias vão intensificar conscientização dos estudantes para poluição no Rio

Nessa semana, os órgãos assinam uma parceria inédita que dará início ao 'Programa Estadual de Educação Ambiental'

Por Leandro Mazzini

Brasília - Em tempos de avanço da poluição no Rio de Janeiro, em especial na Baía de Guanabara, as secretarias de Educação e Meio Ambiente do Estado vão intensificar a conscientização dos estudantes sobre o uso sustentável de recursos naturais e disseminar ações ambientais em todo o território fluminense.

Nessa semana, os órgãos assinam uma parceria inédita que dará início ao "Programa Estadual de Educação Ambiental". Entre as inovações pedagógicas estão as atividades transversais com a inclusão do tema "meio ambiente" em diversas disciplinas, como Biologia, Física, Química e Português.

Teoria & prática

À Coluna, o secretário de Educação, Wagner Victer, adianta que "os princípios, as diretrizes e os objetivos que constam no programa orientarão as atividades pedagógicas, práticas e teóricas".

Educadores

O programa das secretarias do Rio de Janeiro também prevê a formação de educadores ambientais e maior participação popular na gestão ambiental pública.

Repaginado

Jair Bolsonaro lançou o primeiro vídeo oficial de campanha distribuído pelo WhatsApp. Curioso: sem uma palavra dele e com poucas imagens do próprio. Jair aparece no formato paz e amor - e até com cabelo escovado e mais claro.

Forças progressistas

Distante do PT e do ex-presidente Lula e cada vez mais próximo do presidenciável Ciro Gomes (PDT), o PCdoB vai pregar "a unidade das forças progressistas" durante o lançamento oficial da candidatura ao Planalto da deputada Manuela D Ávila (RS), amanhã na Câmara dos Deputados.

Plano B

Aliado histórico do PT, apesar do restrito espaço nos governos Lula e Dilma, o PCdoB, segundo dirigentes, espera unir todos os partidos da chamada "esquerda" em torno da candidatura de Manuela e, por ora, assim como o PT, não discute plano B - como uma eventual vice na chapa de Ciro ou de outro candidato.

Reforma

Deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) define como "desanimador" e absurdo" o resultado da reforma trabalhista: "Demissões em massa, ofertas de vagas de trabalho em condições cada vez mais precárias e trabalhadores sendo condenados ao pagamento de honorários".

Intermitente

O parlamentar defende a revogação do trabalho intermitente, regulamentado pela reforma. Apresentou projeto (PL 9467/18) no qual aponta que a modalidade de contratação afronta "o princípio da dignidade humana por não garantir o salário mínimo mensal para o empregado".

Inspeção

Sob relatoria do ministro Weder de Oliveira, o Tribunal de Contas da União (TCU) irá iniciar nos próximos dias auditoria no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para avaliar a fiscalização e a inspeção agropecuária realizadas pela pasta.

Carne fraca

O tribunal identificou "fragilidades" nas atividades de fiscalização "evidenciadas em operações realizadas recentemente pela Polícia Federal, como a Carne Fraca". O Levantamento de Governança e Gestão Pública, realizado pelo TCU, também apontou que os índices do Mapa "não alcançam a média dos demais ministérios".

Angra

Angra dos Reis, antes paraíso da classe A fluminense e paulistana, tem tido dias cada vez mais tensos com tiroteios em seus morros e invasão de facções do Rio e SP. Esporadicamente os morros Frade e Lambicada,  da Caixa D’água e Santo Antônio amanhecem sob estampidos de tiros. De fuzis.

Combate à corrupção

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) passou a integrar o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral. Composto por entidades da sociedade civil, o MCCE idealizou a criação da Lei Ficha Limpa.

Waldir Pires

Escrita pelo baiano e militante Emiliano José, a biografia Waldir Pires (Volume 1) será lançada nesta terça-feira na Fundação Perseu Abramo, em São Paulo. Pires, que faleceu em junho, trabalhou com João Goulart, foi ministro de Sarney, Lula e Dilma, e era vereador pelo PT da Bahia.

Correção

Foi publicada nesta segunda-feira nota com o título com erro de ortografia. O certo é "Coalizão". Pedimos desculpas ao leitor. Erro da pressa, mas erro.