Rock in Rio: Fãs reclamam de filas e mau atendimento

Preços salgados dos alimentos e má distribuição dos banheiros também não passam em branco na lista de reclamações

Por bianca.lobianco

Rio - Se quiser andar na tirolesa, espere cerca de três horas. Quer se divertir na montanha russa? Não sem antes esperar 30 minutos. Decidiu ir à roda gigante? Duas horas, pelo menos. A longa espera para entrar nos brinquedos do Rock in Rio é a principal crítica dos fãs neste primeiro dia de Rock in Rio. Preços salgados dos alimentos e má distribuição dos banheiros também não passam em branco na lista reclamações.

Para a tecnóloga Elizangela Lemele, 36, que enfrentou a fila para a tirolesa, é preciso melhorar o atendimento. "Só entrei aqui porque não tinha noção de que a fila ia ser tão demorada. Deveriam fazer uma grade mais organizada, e não esse caracol gigantesco", criticou. "Antes, não podíamos sair para ir ao banheiro. Mas depois liberaram. Além disso, não há guarda volumes. Tive que deixar minha bolsa com uma amiga, que nem sei se vou conseguir encontrar depois. E o atendimento tem sido péssimo", desabafou Elizangela.

Fãs reclamam de longas filas para brincar na tirolesaFernando Souza / Agência O Dia

O arquiteto Arthur Tiveron, 23 anos, até queria ir na tirolesa, mas desistiu depois de saber do tempo gasto na fila. Preferiu ir à montanha russa. "Aqui também demora, mas um pouco menos. Já estou na fila há 30 minutos. Chega a dar fome", comentou ele, que já estava prestes a entrar no brinquedo. E, depois de tanta espera, tem gente que chega a se arrpender. É o caso da fotógrafa Carolina Panucci. "Tem que ter muita vontade mesmo. E o pior é que não valeu a pena. A roda gigante vai muito devagar e só dá três voltas. Só andei porque o show da Beyoncé ainda não começou. Quando ela pisar no palco, quero distância de qualquer brinquedo", disse ela, alisando seus cabelos à la Beyoncé - ela colocou aplique de 60 cm com a tonalidade idêntica às madeixas da popstar, o que custou R$ 500.

Preços salgados

Para quem quiser matar a fome, a situação também não anda fácil. A assistente social Bruna Demane, 23 anos, por exemplo, desembolsou R$ 15 somente num hambúrguer (no Bob's). Já o refrigerante custou R$ 6. "Está tudo muito caro. E, além de tudo, o hambúrguer é daquele que se esquenta em microondas. O gosto não é dos melhores", reclamou Bruna, que veio de São Paulo.

"Eles precisam colocar mais banheiros. Precisamos andar muito até encontrar algum. O que eu fui estava até limpo, mas precisamos de mais opções", afirmou a professora Tatiana Abreu, 34.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia