Cantora Silvia Machete se equilibra no trapézio musical

Álbum 'Souvenir' tem apenas dez músicas em 31 minutos

Por tabata.uchoa

Rio - Quinto CD da cantora e compositora carioca Silvia Machete, ‘Souvenir’ equilibra esta artista de habilidades circenses no trapézio musical. Sem arriscar salto diferente do que já deu no seu irretocável álbum anterior de estúdio, ‘Extravaganza’, a cantora reitera sua marota personalidade artística neste bom disco produzido pela própria Machete com Fabiano França.

A artista carioca Silvia Machete canta inéditas de Eduardo Dussek e Moraes Moreira no disco ‘Souvenir’Divulgação / Arthur Nobre

São apenas dez músicas em 31 minutos, suficientes para evidenciar a verve de Machete. Inédita inspirada do carioca Eduardo Dussek (compositor ao qual cantoras deveriam dar mais atenção e valor), ‘Totalmente tcha tcha tcha’ abre o disco e apresenta de cara a a sonoridade leve e arejada do CD, gravado com músicos de ponta da cena contemporânea como o baterista Pupilo, o baixista Bruno Di Lullo e o guitarrista Pedro Sá. Na sequência, a autoral ‘2 cachorros’ sinaliza que Machete deve dar voz prioritariamente a temas alheios — o que ela efetivamente faz ao longo de ‘Souvenir’.

Intérprete poliglota, Machete se permite as ‘extravaganzas’ de cantar em francês (‘Ringard’, delícia tropicalista de Rubinho Jacobina) e de verter para o português do Brasil a letra de ‘Espetáculo’ (1979), escrita pelo artista lusitano Sérgio Godinho no português da ‘Terrinha’. A propósito, ‘Souvenir’ traz outra música de compositor português, ‘Trapézio’, de Jorge de Palma. As polifonias e dissonâncias da faixa realçam o tom ‘abusado’ do disco.

Dissolvida por Machete, ‘Tatuagem’ (1973), de Chico Buarque e Ruy Guerra, vai imprimir somente em quem descola a mente da imagem dramática e sensual da música da peça ‘Calabar’.

“Sei que não sou careta”, defende-se Machete em verso de ‘Nada’, carnavalizante inédita de Moraes Moreira. Caretice realmente nada tem a ver com o dueto irreverente da cantora com Angela Ro Ro no ‘Tango da bronquite’, lançado por Ro Ro em 1980. Os metais arranjados por Thiago Osório criam clima de fanfarra. Silvia Machete adora uma ‘extravaganza’!

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia