João Pimentel: Pega eles, Fred!

O 'arrependido' Zúñiga privou, isso sim, a própria Copa do Mundo de uma de suas principais estrelas

Por daniela.lima

João Pimentel%3A Pega eles%2C Fred!Divulgação

Rio - A piada circula pela internet. Pousa um helicóptero da conhecida patrocinadora médica da Seleção Brasileira, na Granja Comary. O piloto desembarca, se identifica com o chefe da segurança: “Vim buscar um jogador que não pode se movimentar”. O funcionário da CBF, imediatamente, olha para o outro lado do campo, na direção de um grupo de jogadores que conversam e comem picolés, e grita: “Fred!!!”.

Não faço parte da corrente que mistura paixão clubística com seleção. Não torço pelo Júlio César por ele ter sido goleiro do Flamengo, ou contra o Thiago Silva por ele ter vestido as três cores que traduzem tradição. Não vejo Neymar ainda como o jovem craque da Vila Belmiro. Para mim, está sendo até um alívio tirar umas férias do Flamengo de Brocador, André Santos e companhia. E, por outro lado, dá uma certa alegria torcer, ao menos por três dezenas de dias, para o time do David Luiz, do Marcelo e, até a estúpida joelhada do lateral colombiano Zúñiga, também do Neymar.

Ao agredir o nosso atacante — sim, porque foi uma agressão covarde, pelas costas — o defensor adversário não privou apenas Neymar de continuar a jogar a Copa do Mundo no Brasil; não privou só nós, brasileiros, da nossa alegria, do nosso maior motivo de esperança. O “arrependido” Zúñiga privou, isso sim, a própria Copa do Mundo de uma de suas principais estrelas.

Ao escrever esta coluna, ainda não tenho ideia do time que enfrentará a poderosa Alemanha logo mais. Não sei se ele vai fechar o time com três volantes, isolando Oscar na armação das jogadas, ou se vai escalar William ou Bernard, mantendo uma característica mais ofensiva. Mas o certo é que, para passarmos pelo nosso adversário mais difícil até aqui, precisaremos que o Marcelo do Real Madrid apareça com todo o seu brilho, que Júlio César providencie alguns outros milagres, que o meio-campo, independente da formação escolhida por Felipão, exerça seu papel de transição entre a defesa e o ataque e, principalmente, que a bola chegue no nosso centroavante Fred. Ou, ao menos, que ele se esforce para chegar nela.

Acabei de ouvir na televisão que Fred pode se tornar o centroavante de pior performance na seleção nos últimos 40 anos. Até Serginho Chulapa fez dois gols em uma Copa... Não esperamos que ele seja um Ronaldo Fenômeno, um Romário, um fora de série. Sem chance. Queremos e esperamos que ele seja apenas o Fred do Fluminense, o artilheiro de faro aguçado, de definição precisa, um dos líderes do Time de Guerreiros tricolor que insiste em fazer gols no meu Flamengo. Quem sabe, vendo aquela camisa rubro-negra da Alemanha, ele não se inspire e finalmente desencante na Copa? É o que nós torcedores brasileiros esperamos. Até eu quero gritar: “o Fred vai te pegar”. Pega eles, Fred!

Por falar em jogador tricolor que dá dor de cabeça em rubro-negros, Assis vai deixar saudades nos amantes do futebol bem jogado, alegre, criativo, de um tempo menos retrancado, em que até os cronistas esportivos se preocupavam mais em transmitir em palavras uma jogada, um drible, do que destrinchar esquemas repletos de números. O da moda parece que é um tal 4-3-1-2. Menor paciência.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia