Grupo Brasil de Cara faz temporada na Lapa

Um baile com coco, baião, maracatu e muitos outros ritmos

Por daniela.lima

Rio - Com nove pessoas na formação, o grupo Brasil de Cara está acostumado a driblar palcos pequenos. “Quando o espaço é pouco, a gente invade o do público”, brinca o baixista e maestro Marcelo Bruno. O grupo faz baile hoje no La Carmelita, na Lapa (estão lá quinzenalmente, às terças) e une músicas autorais, ritmos brasileiros — coco, samba, caboclinho, maracatu — a muita interação com a plateia, adiantando os festejos do Dia de São João, 26 de junho. 

Da esq%3A Marcelo (de chapéu) e as vocalistas Lienne%2C Laura e TaináDivulgação


“Nosso trabalho pede um corpo artístico mais performático”, diz a vocalista e percussionista Tainá Louven, formada em Artes Cênicas. “A Lienne (Aragão, voz e percussão) é também atriz, a Laura (Canabrava, idem) é formada em dança. Isso está muito relacionado com nosso show”, diz Tainá. Além delas e de Marcelo, completam o grupo Nando Menezes (bateria), Leo Cortez (percussão e voz), Martin Berger (sax), Pedro Sales (flauta e voz) e Matheus Braga de Miranda (violão).

Com dez anos de existência, o grupo já teve muitas variações na formação, pela qual já passaram mais de 80 músicos. “Eu estudava na Escola de Música Villa-Lobos e resolvi montar um grupo. No começo, eram umas 30 pessoas, mas aí a turma não caberia no palco mesmo”, diz Marcelo. “Demos o nome de Brasil de Cara porque a ideia era mesmo dar a cara do Brasil. Tenho influências de Tom Jobim, Luiz Gonzaga, Egberto Gismonti, Milton Nascimento. Sempre ouvi muito frevo, porque meus pais nasceram no Recife. Isso tudo entrou no nosso som.” O repertório tem versões para músicas como ‘Modinha para Gabriela’ (Dorival Caymmi) e ‘Ciranda da Rosa Vermelha’ (Alceu Valença), mas o principal são temas autorais como ‘Mungunzá’, ‘Venha Viajar’ e ‘Querubins’.

“Eu já vinha conversando com outros integrantes, e a mistura que eles fazem dos nossos ritmos com jazz, rock e música erudita foi o que me atraiu para entrar lá”, diz Laura Canabrava. Ela lembra do dia em que abriram para o Baile do Almeidinha no Circo Voador. Apesar do palco largo, foram para a galera. “Cantamos dançando ciranda com o público. Cada uma de nós cantou uma música. Os músicos também desceram.” Tainá foi outra a se apaixonar pela mescla de ritmos. “Em uma música só, tem coco, xote, frevo... Quando vi o show, antes de entrar, adorei as músicas autorais, como ‘Baiãocatu’, que mistura baião e maracatu.”

O show de hoje vai ter participações: o grupo de violeiros Mula Preta abre a noite e o percussionista paraense Silvan Galvão participa tocando carimbós como ‘Sinhá Pureza’ (Pinduca). “Vamos colocar as pessoas para dançar”, diz Marcelo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia