André Dias, o Gringo de
André Dias, o Gringo de "Segundo Sol"João Cotta/Globo
Por BRUNNA CONDINI | [email protected]

Rio - Uma boa amizade vale ouro. Que o diga Luzia (Giovanna Antonelli) em 'Segundo Sol'. Ela e Groa, vivido por André Dias, são os grandes amigos da novela. E é o islandês que sempre está ao lado dela nos momentos mais difíceis. Como quando Remy (Vladimir Brichta) for assassinado nos próximos capítulos e a loura se tornar a principal suspeita.

"Com a reviravolta que vai acontecer, ele vai ter uma importância muito grande para Luzia. Como ele fez na primeira fase, quando a levou para a Islândia", conta André.

"Mas Groa vai estar aliado a outras pessoas, provavelmente Cacau (Fabíula Nascimento) e Roberval (Fabrício Boliveira). E Galdino (Narcival Rubens), que vai se bandear de Laureta (Adriana Esteves) para a turma do bem, como diz o Dennis (Carvalho, diretor)".

Com 43 anos, sendo 27 deles dedicados à carreira, o ator lembra que não teve tempo para se preparar. "Foi tudo muito rápido. Fui chamado dez dias antes de a novela começar. Então, o figurino e a caracterização foram primordiais. Deram o tom. Criei a partir disso", diz ele, que colocou mega hair e tingiu o cabelo para o papel.

"Ele é uma mistura. Eu me inspirei em duas personalidades grandes: o estilista Dudu Bertholini e o fotógrafo Pierre Verger (1902-1996)".

Embora seja seu segundo trabalho na TV o primeiro foi em 'Novo Mundo'(2017), quando foi o fiel empregado de D. Pedro I, vivido por Caio Castro - e o primeiro de destaque, ele não encontrou grandes dificuldades. "O sotaque era o que me deixava mais apreensivo, mas funcionou. Fiz uma preparação fonética em cima do idioma islandês. Aprendi algumas expressões e apliquei no texto para que ficasse convincente, mas principalmente compreensível para o espectador".

André revela que tem muito em comum com Groa. "A espiritualidade. E também sou um bom ouvido, gosto de ajudar as pessoas. Estar lá para os amigos, prestando minha solidariedade nos bons e maus momentos", diz. "Também tenho um certo senso para me vestir como ele. Aliás, aprendo com ele, estou usando acessórios, coisa que não usava. O Groa me deixa uma transformação".

PARCERIA

O premiado ator afirma que sua relação com Giovanna Antonelli já ultrapassou os sets. "É incrível. É exatamente o que você na televisão. A química que a gente tem na tela é a relação que temos na vida real", comenta.

"A Giovanna é uma luz. Digo que ela é o primeiro sol. É agregadora, generosa. Domina muito o veículo. Ela me ensina, me ajuda o tempo todo. É um privilégio você estabelecer uma relação de trabalho com uma estrela como ela, que tem esse posicionamento tão simples, tão generoso. É uma pessoa que vou levar para o resto da vida".

Como seu personagem, o carioca valoriza as amizades na vida. "Não tenho um melhor amigo, mas tenho alguns grandes amigos, que conto nos dedos de uma mão. Uma delas é a atriz Adriana Zattar, que chamo de minha Luzia. A outra é a cantora e compositora Magali", revela.

Vale tudo por um amigo?

"Acho que por um amigo a gente só não rouba e mata", diverte-se. "A não ser que seja em legítima defesa, como a Luzia fez. Amigo é a família que a gente escolhe, a família que fazemos durante a vida".

DO TEATRO MUSICAL PARA A TV

O teatro entrou na vida de André para ajudar com a timidez na adolescência, mas ficou por outras razões. "Comecei em 1991, comemoro 27 anos de carreira este ano. Descobri minha verdadeira vocação. Sempre emendei um trabalho no outro no teatro e estou entrando agora na televisão após anos de muito trabalho", recorda.

"Desenvolvi uma carreira em teatro musical muitos anos. Quando comecei, tinha uma escassez de atores que cantassem. Não é mais assim. Hoje, quero fazer mais teatro de texto. Quero me debruçar sobre dramaturgia e teledramaturgia. Gostaria de fazer um Nelson Rodrigues", diz.

Com muitas emoções ainda envolvendo seu Groa na trama das 21h, André quer mais. "Na TV gostaria de fazer mais composições. Como fiz com o Patricio, de 'Novo Mundo', e com o Groa. Quero um personagem completamente diferente dele no próximo. Essa versatilidade que priorizo. Não sei o que eu seria se não fosse ator. Só sei que acho que não seria feliz", admite. "Adoraria ser escalado para o 'Show dos Famosos'", sonha.

Você pode gostar
Comentários