Mais Lidas

Profissão certa: mudanças no Fies

Um dos pontos de maior destaque será a criação de uma nova modalidade para a concessão de crédito aos estudantes, através de bancos privados

Por luana.benedito

Profissão Certa%3A mudança no FiesDivulgação

Rio - O governo Temer deve editar nos próximos dias medida provisória com reformulações importantes no programa de Financiamento Estudantil (Fies). Um dos pontos de maior destaque será a criação de uma nova modalidade para a concessão de crédito aos estudantes, através de bancos privados. Até agora, o valor integral do financiamento ofertado aos alunos era coberto pelos cofres públicos. 

Pelas novas diretrizes, os estudantes que têm uma renda mensal de até três salários mínimos, ou R$ 2.811, poderão recorrer ao crédito público, enquanto aqueles que ganham de três a cinco salários mínimos passam a ter acesso ao financiamento dos bancos privados com taxas de juros de longo prazo.

Outra novidade de peso: está previsto o desconto de salário assim que devedor estiver empregado. Algo parecido com o modelo australiano. Como no caso do consignado, assim que começar em um emprego, o recém-formado terá parcelas descontadas do salário pela instituição financeira que financiou seus estudos.

Além disso, o novo Fies não terá mais prazo de carência para pagamento. Do jeito que funciona hoje, o aluno começa o pagamento das parcelas somente um ano e meio após o fim do curso universitário. Pelas novas regras, o pagamento passará a acontecer imediatamente após a conclusão do curso. O pagamento fica limitado a 30% da renda do aluno.

MUDANÇA NO FIES (2)

O governo vai criar ainda um fundo público destinado a conceder bolsas de estudos no âmbito do Fies, que deverá ser gerido pela Caixa Econômica Federal, e que terá, a princípio, o valor de R$ 2 bilhões.

Para chegar a esse montante, o governo vai usar ações perdidas na Justiça, mas que não foram reclamadas num prazo de 20 anos.

O objetivo é definir o número de vagas disponíveis para o Fies a cada semestre. Para 2018, deverão ser disponibilizadas entre 250 mil e 300 mil vagas.

MUDANÇA NO FIES (3)

Outra novidade importante vai ser a elevação da contribuição dos bancos e instituições de ensino para o fundo que atualmente alimenta é a base do programa de Financiamento Estudantil.

O aumento do percentual de contribuição das instituições de ensino e dos bancos sobre o custo total dos empréstimos deve reduzir o peso sobre o governo, dividindo os riscos de inadimplência. Essa era uma das críticas do TCU ao formato do programa.

MUDANÇA NO FIES (4)

Atualmente, para poder participar do Financiamento Estudantil, o estudante precisa obrigatoriamente ter participado de qualquer edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010, e alcançado um desempenho de pelo menos 450 pontos na média geral das provas e nota maior do que zero na redação.

Além disso, hoje a renda familiar bruta mensal do candidato não pode ser maior que 2,5 salários mínimos por cada pessoa.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia