Jogadores veem Corinthians longe de crise, mas querem pressa na reação

Com empate sem gols diante do São Paulo, time comandado por Tite chega a três jogos sem vitória no Brasileirão e vê líderes se afastarem

Por rafael.arantes

São Paulo - Não dá para chamar de crise o momento vivido pelo Corinthians , campeão duas vezes na temporada e ainda carregando o brasão de dono do mundo. Sabem os jogadores, no entanto, que também é inegável a decepção com o desempenho nas nove rodadas iniciais do Campeonato Brasileiro .

"Não é o começo que a gente esperava. Por ter saído cedo da Libertadores, a gente esperava ter saído melhor, até para ter uma gordura lá na frente. É um campeonato difícil, é importante ter essa gordura", afirmou Paulo André, incomodado com o desempenho no Pacaembu.

Corinthians quer reação após empate com o São PauloDivulgação

"Estamos a sete pontos do primeiro colocado. Com seis ou sete pontos em casa a mais, estaríamos junto dos líderes. Não tem nada definido ainda, tem muito campeonato. Daqui a pouquinho, a gente busca, mas não pode mais perder ponto em casa. É nossa força, onde a gente sempre impôs o nosso ritmo", acrescentou o beque.

Renato Augusto concordou. "É claro que conquistar 11 pontos em nove jogos não era o que a gente queria, mas a gente sabe também que duas vitórias nos colocam de novo no campeonato. Já temos mais um jogo em casa na quarta (contra o Grêmio) e vamos buscar o resultado."

É até compreensível que a equipe caia após uma sequência tão vitoriosa, mas o torcedor, mal acostumado, não quer viver de uma memória recente de conquistas. "A pressão é alta. Quando é mais do que alta, é crise. Acho que a gente está longe de uma crise. Cabe a nós colocar nosso futebol em prática e vencer", concluiu Paulo André.

?

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia