Mais Lidas

Goleiro da França destaca importância de não sofrer gol cedo contra Alemanha

Hugo Lloris espera 'fase de observação' no início do jogo e diz não pensar em título, só em passar pela próxima partida

Por fabio.klotz

Rio - A França demonstra total serenidade antes do confronto com a Alemanha pelas quartas de final da Copa do Mundo, nesta sexta-feira, às 13h, no Maracanã. Pouco citada como candidata ao título antes do início do torneio, a equipe aproveita o status de quase zebra para jogar a responsabilidade aos rivais.

Lloris sabe da importância de não ser vazadoErnesto Carriço

Em entrevista coletiva no Maracanã, nesta quinta-feira, o goleiro Hugo Lloris afirmou que, ao contrário de Brasil e Alemanha, que sempre mostraram ambição de vencer o Mundial, a França vem pensando apenas jogo a jogo.

LEIA MAIS: Notícias e bastidores da Copa do Mundo

"A próxima etapa é amanhã contra a Alemanha e estamos focados só nessa partida, ao contrário de outras nações", afirmou.

LEIA MAIS: 'Não existe pressão', afirma Deschamps antes de duelo com a Alemanha

Um dos pontos principais apontados pelo camisa 1 para o confronto com os alemães será a tentativa de não sofrer gols nos primeiros 15 minutos. Para Lloris, esse período inicial do jogo será de muito estudo entre as duas equipes.

LEIA MAIS: Surto de gripe vira preocupação na Alemanha na véspera de duelo

"A gente não pode dar muito espaço nos primeiros minutos. Não estamos sofrendo gols cedo e numa partida decisiva existe também uma fase de observação, quando precisamos ter serenidade para construir os espaços. Com a temperatura da partida, o menor erro pode custar muito caro. Estamos conscientes disso e vamos jogar o máximo", disse.

Azarão, sim, mas sem medo

O goleiro francês ressaltou diversas vezes o fato de a Alemanha sempre ter sido apontada como uma das favoritas a vencer a Copa e a consciência dele e de seus companheiros de que vão enfrentar um rival muito forte. Mas isso não significa temer os adversários.

"Não há medo. Estamos diante de uma partida onde tudo é possível. Há sempre a possibilidade de ser a última partida, mas não temos medo. É muito grande o prazer de enfrentar a Alemanha e estamos animados com isso, porque somos competidores. Vamos tentar fazer a nossa parte e dar o máximo para não ter nenhum arrependimento depois da partida", afirmou.

Reportagem de Levi Guimarães

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia