Mais Lidas

Juiz da final de 86, Romualdo Arppi Filho elogia escolha de italiano

Brasileiro apitou decisão que consagrou Maradona no México

Por pedro.logato

Rio - O italiano Nicola Rizzoli será o árbitro da final da Copa do Mundo, entre Alemanha e Argentina, amanhã, no Maracanã. O anúncio, feito ontem pela Fifa, agradou ao brasileiro Romualdo Arppi Filho, que viveu experiência idêntica 28 anos atrás, quando apitou a decisão do Mundial de 1986, no México, também entre alemães e argentinos, vencida (3 a 2) por Maradona & Cia.

“Foi uma excelente escolha. A decisão está em boas mãos. O Rizzoli é muito bom tecnicamente”, avalia Romualdo, que gostou da atuação do italiano, de 42 anos, nos três jogos em que trabalhou na Copa — Holanda 5 x 1 Espanha, Argentina 3 x 2 Nigéria e Argentina 1 x 0 Bélgica.

Romualdo Arppi Filho apitou final de 1986Reprodução Internet

O fato de Rizzoli ter apitado dois jogos dos argentinos não é problema, segundo Romualdo. “Ele teve atuações seguras nestas partidas e manterá o nível domingo (amanhã)”, frisa o ex-árbitro, de 75 anos, que também elogiou o brasileiro Sandro Meira Ricci e o sueco Jonas Eriksson.

LEIA MAIS: Notícias e bastidores da Copa do Mundo

“Eles foram muito bem e poderiam estar escalados para a final tranquilamente”, diz Romualdo, que, no entanto, considerou o nível da arbitragem neste Mundial apenas razoável. “Teve altos e baixos. Alguns árbitros deixaram a desejar na parte disciplinar. Houve jogos que parecia vale tudo”, observa, decepcionado com o espanhol Carlos Velasco Carballo, o inglês Howard Webb e o japonês Yuichi Nishimura.

“O espanhol, que apitou Brasil e Colômbia, foi péssimo, deixou a violência imperar, um caso de polícia. O Webb, que atuou na final de 2010, foi uma lástima no Brasil e Chile, assim como o japonês, que inventou um pênalti em Brasil e Croácia”, critica.

Italiano vai conduzir a final da CopaReuters

Romualdo prevê uma decisão equilibrada no Maracanã e sem muitas dificuldades para Rizzoli. Confiante, nem conselho dá ao italiano: “Será um jogo fechado, decidido no detalhe, embora a Alemanha tenha mais time. O Rizzoli tem pulso firme. Não vejo dificuldade para a arbitragem.”

ALEGRIA E DEVER CUMPRIDO

Faz 28 anos, mas parece que foi ontem. Pelo menos para Romualdo Arppi Filho, que teve a missão de apitar a final do Mundial do México, em 1986, e, segundo relatório da Fifa, a cumpriu muito bem. “Fiquei feliz com a indicação e muito emocionado ao encerrar aquele jogo, com a sensação do dever cumprido”, relembra.

“A alegria de ter chegado onde todo árbitro sonha foi única. O Arnaldo Cezar Coelho havia apitado a decisão do Mundial de 1982, na Espanha, e eu não tinha muita esperança, já que nunca um árbitro do mesmo país havia apitado duas finais de Copas seguidas. Mas me enganei”, brinca Romualdo, que relembra o cartão amarelo dado a Maradona: “Ele se adiantou na barreira, em cobrança de falta, antes de eu apitar. Mas era um craque”, elogia.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia