Destaque da Seleção, o atacante Douglas Costa lamenta a eliminação nas quartas 
de final - AFP
Destaque da Seleção, o atacante Douglas Costa lamenta a eliminação nas quartas de finalAFP
Por

Rússia - Aconteceu o que ninguém queria nesta Copa. O Brasil jogou mal e as nossas principais peças não funcionaram nas quartas de final. A seleção brasileira parecia estar tensa e errou passes bobos. Na hora de chutar a gol, as coisas não saíram como geralmente acontecem. A Bélgica fez uma marcação forte e jogou, praticamente, no esquema 4-3-3, com o Fellaini não dando espaços para o Philippe Coutinho.

Além disso, os três homens de frente deles jogaram em alta velocidade, dando trabalho. Se os belgas apertassem, inclusive, poderiam ter ampliado o placar na segunda etapa. Porém, eles recuaram demais e deram campo ao Brasil. As alterações do Tite deveriam ter sido feitas no intervalo, como a entrada do Douglas Costa e do Firmino. O Willian não existiu e o Gabriel Jesus estava perdido.

No fim do jogo, com Renato Augusto, tivemos mais espaço em campo, fizemos o gol e poderíamos até ter empatado. O problema é que o Brasil estava errando mais do que o normal. E, quando esses grandes jogadores, como Neymar, Gabriel Jesus e Paulinho, não aparecem, a tendência é que o resultado não termine bem. Falaram do Japão e cometemos o mesmo erro de marcação no gol marcado pelo De Bruyne.

A ausência do Casemiro foi muito sentida, principalmente pela má atuação do Fernandinho. A zaga se saiu bem e a única bola que o Lukaku levou a melhor, de fato, foi no lance do segundo gol.

No escanteio do 1 a 0, nós fomos infelizes, mas não se pode deixar um jogador alto como o Kompany desviar livre na primeira trave. Se a Bélgica, do craque Hazard, tiver menos medo de atacar, tem tudo para chegar à final. O Brasil, pelo que fez, não mereceu avançar e deixou muito a desejar.

Você pode gostar
Comentários