Marcelo Melo e Bruno Soares caminham em busca de sonho dourado nos Jogos

Dupla brasileira eliminou Zimonjic e Djokovic nesta segunda

Por pedro.logato

Rio - Os brasileiros têm um sonho dourado, no torneio masculino de duplas do tênis, nos Jogos Rio 2016. Na noite desta segunda-feira, na quadra 1, após a vitória de Marcelo Melo, 3º no ranking da categoria, e Bruno Soares (8º), sobre os sérvios Novak Djokovic (162º) e Nenad Zimonjic (33º), por 2 a 0 — duplo 6/4, em uma hora e 11 minutos —, a torcida gritava, a plenos pulmões: “vamos buscar o ouro.”

Nesta terça, pelas quartas de final, os dois enfrentam os romenos Florin Mergea (14º) e Horia Tecau (10º). Com os pés no chão, mas conscientes de que o céu é o limite.

“Isso é a expectativa da torcida. Se estão gritando, é porque acreditam. Temos que usar isso pelo lado positivo, buscar essa energia. Eles confiam no nosso taco. A gente vem jogando super bem. Amanhã (terça), será mais uma pedreira. Temos que jogar o nosso melhor. A gente tem um objetivo, um sonho. Sabemos que é muito difícil, mas, jogando nesse nível, temos boas chances”, afirmou Bruno.

Marcelo Melo e Bruno Soares venceram mais umaWander Roberto/Exemplus/COB

Se Djoko carrega a grife de melhor do mundo no simples, os brasileiros mostraram que, nas duplas, estão bem à frente. Conforme Melo havia dito na véspera, quando afirmou que o sérvio era quem deveria estar preocupado. Em quadra, os donos da casa em nenhum momento tiveram a vitória ameaçada.

“Quem veio para o nosso campo foi ele. Era de dupla, a gente é um dos melhores do mundo, nossos resultados condizem com isso. Acho que ele estava mais preocupado de nos enfrentar do que nós com eles. Sabíamos que, se imprimíssemos o que a gente fez hoje, teríamos grande chance de ganhar. Acreditamos desde o início, por isso jogamos dessa maneira", disse Melo.

A galera parece concordar. Embora tenha mostrado carinho pelo astro sérvio, ao cantar “uh, tá maneiro, Djokovic é brasileiro”, colocou os compatriotas no topo do ranking do seu coração, com a música “Melo e Bruno, melhor dupla do mundo”. Enquanto elogiava o apoio da arquibancada, Melo foi interrompido pelos gritos de “Girafa”, como os fãs gostam de chamá-lo.

“A torcida favoreceu muito isso. A gente não fala da torcida só por falar (gritos de 'Girafa'). Eles me chamam de Girafa, não de Marcelo, mas tudo bem. É desse carinho que a gente fala. Não tem como não sair arrepiado. A sensação é que estamos retribuindo ao máximo. É continuar, passo a passo. Demos mais um hoje (segunda). Quem sabe amanhã (terça), agente joga da mesma maneira. Teremos grandes chaces", concluiu.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia